A Associação "Trilhos d'Esplendor" com sede na Praia de Quiaios, Figueira da Foz, pretende fazer em caminhadas guiadas uma descrição fotográfica da Flora da Serra da Boa Viagem e das Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas. Também mostramos o uso fito-terapêutico desta Flora cujo valor na medicina tradicional é bem conhecido na população local. São todos convidados para descobrir a beleza florística desta terra. Visitem uma das regiões mais importantes de biodiversidade de Portugal!

Download of PDFs (2 Volumes - Eds. 2014):

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. I - Introdução - 371 pp.) (->Download)

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. II - Portugal - 1559 pp.) (-> Download)

(contains Web links to Flora-On for observed plant species, Web links to high resolution Google satellite-maps (JPG) of plant-hunting regions from the Iberian peninsula; illustrated text in Portuguese language)


Pesquisar neste blogue

Flora da Serra da Boa Viagem - Folha de Cálculo - > 500 Taxa - > 5000 Fotografias, Scans e Chaves

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited - última compilação

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited (Volume I - Portugal) Download PDFs (>300MB)

domingo, 21 de outubro de 2012

Flowers of South-West Europe revisited (I.2.4a3.11 - A Península Ibérica)

“Flowers of South-West Europe - a field guide” - de Oleg Polunin e B.E. Smythies

“Revisitas” de regiões  esquecidas no tempo - “Plant Hunting Regions” - a partir de uma obra de grande valor para o especialista e amador de botânica como da Natureza em geral.

Por

Horst Engels, Cecilia Sousa, Luísa Diniz, Nicole Engels, José Saraiva

da

Associação “Trilhos d’Esplendor”

I .2   Relevo, Geologia, Clima e Vegetação da Península Ibérica

1.2 Relevo, Geologia, Clima e Vegetação da Península Ibérica

1.2.4a Vegetação - Comunidades de água doce e zonas húmidas

Comunidades de plantas mediterrânicas perenes

1. Florestas das planícies e das colinas .  Florestas de carvalhos perenes e de pinheiros.

2. Comunidades de matos.  Matorral e pseudo-estepes.

3. Florestas sub-montanas .  Florestas semi-caducifólias e caducifólias.

Comunidades Central Europeus e Atlânticos de plantas caducifólias

4. Florestas caducifólias .  Florestas de Quercus  e de Castanea.

5. Charnecas e prados.

Comunidades de plantas montanas,  sub-alpinas e alpinas

6. Florestas montanas.  Florestas de Faja , Pinus e Abies.

7. Comunidades sub-alpinas.  Prados, pastos e arbustivos..

8. Comunidades alpinas.

Comunidades marítimas e halófilos

9. Dunas, areias e pântanos.

10. Estepes

Comunidades de água doce e zonas húmidas

1.2.4a Vegetação - Comunidades de água doce e zonas húmidas

Polunin & Smythies  escrevem (p. 37):

Freshwater , wetland communities

Plant communities in these wetlands are surprisingly uniform throughout temperate Europe. The majority of species of pond, lake, marsh, bog, and river are very widespread and differ little over the greater part of Europe. As most of these freshwater wetland communities occur in the pluviose region of our area and as they have few species of special interest, a detailed summary of these communities will not be given in this volume.

Comunidades de plantas nestas zonas húmidas e pântanosas são surpreendentemente uniformes na Europa com climas temperadas. A maioria de espécies dos charcos, lagos, pântanos, pauls e ribeiras são muito comuns e não diferem muito nas áreas da Europa. Como a maioria destas comunidades de zonas húmidas de água doce ocorrem em regiões pluviósas e possuem poucas espécies de interesse especial, elas não são tratadas em extensão.

No entanto, a existência destes ecossistemas em determinados locais ou regiões, pode ser uma mais valia para a biodiversidade local destas regiões e por isso pode ter muito interesse na conservação.

Por exemplo, as Lagoas de Quiaios [1]  nas Dunas de Mira, Gândara e Gafanha [2]  em Portugal possuem espécies de plantas que são raras para Portugal. Ocorrem aqui Salix repens  ssp. argentea , Drosera intermedia  e D. rotundifolia , Hypericum elodes , Myrica gale  e Myrica faya,  para mencionar apenas algumas espécies:

Salix repens  ssp. argentea  (Lagoas de Quiaios, Portugal)

Salix repens  ssp. argentea  (Lagoas de Quiaios, Portugal)

Salix repens  ssp. argentea  (Lagoas de Quiaios, Portugal)

Salix repens  ssp. argentea  (Lagoas de Quiaios, Portugal)

Salix repens  ssp. argentea  (Lagoas de Quiaios, Portugal)

Drosera intermedia  (Lagoas de Quiaios, Portugal)

Hypericum elodes  (Lagoas de Quiaios, Portugal)

Hypericum elodes  (Lagoas de Quiaios, Portugal)

Myrica faya  (Lagoas de Quiaios, Portugal)

Myrica gale  (Lagoas de Quiaios, Portugal)

Veja à seguir: 2. Regiões (“Plant Hunting regions”)

Home (Index)


Sem comentários:

Submitir informação sobre uma espécie de plantas

Arquivo do blogue

Seguidores