A Associação "Trilhos d'Esplendor" com sede na Praia de Quiaios, Figueira da Foz, pretende fazer em caminhadas guiadas uma descrição fotográfica da Flora da Serra da Boa Viagem e das Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas. Também mostramos o uso fito-terapêutico desta Flora cujo valor na medicina tradicional é bem conhecido na população local. São todos convidados para descobrir a beleza florística desta terra. Visitem uma das regiões mais importantes de biodiversidade de Portugal!

Download of PDFs (2 Volumes - Eds. 2014):

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. I - Introdução - 371 pp.) (->Download)

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. II - Portugal - 1559 pp.) (-> Download)

(contains Web links to Flora-On for observed plant species, Web links to high resolution Google satellite-maps (JPG) of plant-hunting regions from the Iberian peninsula; illustrated text in Portuguese language)


Pesquisar neste blogue

Flora da Serra da Boa Viagem - Folha de Cálculo - > 500 Taxa - > 5000 Fotografias, Scans e Chaves

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited - última compilação

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited (Volume I - Portugal) Download PDFs (>300MB)

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Flowers of South-West Europe revisited (I.2.4a3.2 - A Península Ibérica)

“Flowers of South-West Europe - a field guide” - de Oleg Polunin e B.E. Smythies
“Revisitas” de regiões  esquecidas no tempo - “Plant Hunting Regions” - a partir de uma obra de grande valor para o especialista e amador de botânica como da Natureza em geral.
Por
Horst Engels, Cecilia Sousa, Luísa Diniz, Nicole Engels, José Saraiva
da
Associação “Trilhos d’Esplendor”

I .2   Relevo, Geologia, Clima e Vegetação da Península Ibérica

1.2 Relevo, Geologia, Clima e Vegetação da Península Ibérica

1.2.4a Vegetação - 2. Comunidades de matos.



Comunidades de plantas mediterrânicas perenes
1.   Florestas das planícies e das colinas .  Florestas de carvalhos perenes e de pinheiros.
2.   Comunidades de matos.  Matorral e pseudo-estepes.
3.   Florestas sub-montanas .  Florestas semi-caducifólias e caducifólias.
Comunidades Central Europeus e Atlânticos de plantas caducifólias
4.   Florestas caducifólias .  Florestas de Quercus  e de Castanea.
Comunidades de plantas montanas,  sub-alpinas e alpinas
6.   Florestas montanas.  Florestas de Faja , Pinus e Abies.
7.   Comunidades sub-alpinas.  Prados, pastos e arbustivos..
Comunidades marítimas e halófilos
Comunidades de água doce e zonas húmidas

2. Comunidades de matos

Polunin & Smythies  escrevem (p. 26-29)
2. Scrub communities
These communities can be divided roughly into maquis, where the evergreen scrub is up to a man' s height or to twice that height, typically so dense that it is difficult to for ce a way through and with a very sparse ground flora, and garigue (or garrigue), which is a more or less open community of small shrubs, often knee high, and with very aromatic foliage. There are all gradations between these two and the Spanish term matorral  includes both these and seems more appropriate and will be used as a general term in the account that follows.
Matorral now covers enormous areas in the Mediterranean zone and the central regions of the peninsula. In its most developed form, it may occur as dense thickets 2-4 m high, composed largely of a mixture of evergreen shrubs, the most widespread of which are Arbutus unedo , Erica arborea , and Cistus monspeliensis ; while other common and characteristic species are Olea europaea , Phillyrea  species, Pistacia species, Viburnum tinus , Calicotome  species, Spartium junceum , Juniperus phoenicea  and Juniperus oxycedrus , Quercus ilex  and Quereus coccifera , Rosmarinus officinalis , Erica multiflora , Cytisus villosus , Teline monspessulana , Smilax aspera , and Asparagus  species. In different regions certain species may dominate large areas, thus giving many distinctive local variations to the landscape. Usually the presence of Ulex , Cytisus , Genista , Erica , and Cistus  species is characteristic of siliceous, more acid soils; while the practice of burning the scrub to improve grazing potentialities favours fire-resistant species such as Cistus  species, Arbutus unedo , and Pistacia lentiscus . Less developed matorral in the Iberian peninsula consists largely of evergreen shrubs, with small leathery leaves, usually 1-1,5 m high and often spiny. These shrubs may form a dense, almost impenetrable growth, or they are often more scattered and have considerable patches of bare ground between the bushes. The dominating families in this low matorral re undoubtedly the Leguminosae , Cistaceae , Ericaceae , and Labiatae , while families such as Compositae , Ranunculaceae , Liliaceae  provide many of the spring and autumn-flowering annuals and herbaceous perennials which are such an interesting feature of Mediterranean scrub in general. There are many types of matorral in the peninsula, many distinguished by vernacular names:
Rivas Goday lists the indicator plants of the peninsula low matorrals as: Rosmarinus officinalis , Cistus albidus , Halimium atriplicifolium , Teucrium polium  subsp. capitatum , Helichrysum stoechas , Stipa lagascae , Lithospermum fruticosum , Cistus monspeliensis , Doronicum pentaphyllum , Thymus vulgaris , Thymus zygis,  and Ruta angustifolia , while on acid soils the following are characteristic : Cistus crispus , Halimium umbellatum , Lavandula stoechas , Erica scoparia , Erica umbellata , Cistus ladanifer , and Genista hirsuta .
Matorrals  are particularly widespread on shallow soils, and in lower rainfall areas with. high evaporation. They are typical of the sunny hills of the south and the stony plateau of the centre of Iberia. One of the most widespread is the tomillar , with Thymus  species and many Labiatae predominating, and it is in this type of community that a number of the Iberian endemic species occur. Jaral , dominated by Cistus  species, in particular C. ladanifer , is very widely distributed and covers vast areas in southern Portugal and south-western Spain. Another distinctive type is that in which the Dwarf Palm, Chamaerops humilis  is abundant and it extends over considerable areas of the drier hills of the south and east of the peninsula. Heavily over-grazed, or continuously fired or cut matorral will eventually revert to the most unproductive of all vegetation, where the soil cover is lost and where only extremely resistant species can survive. These communities are sometimes called pseudo-steppes or Asphodel steppe, because of the predominance of this latter species, and they consist largely of plants which can not only survive such extremely difficult conditions, but which are also, for some reason or another, unpalatable to grazing animals. The spread of such plants as the mulleins, sea squill, asphodel, and some of the excessively spiny plants, is no doubt very greatly facilitated by their resistance to grazing. These pseudo-steppes are thus biologically determined and in this differ from true steppes which are primarily determined by climatic and soil conditions. These pseudo-steppes often have a large number of annual species of fam ilies such as the Cistaceae , Leguminosae , Compositae , and Gramineae , which can make a bright show of colour for a short time during the spring. There are also a number of bulbous and rhizomatous plants which flower briefly at this time or in the autumn. Though forests, reduced to matorral or eliminated by agriculture, comprise such a small percentage of the present day plant cover in our area, yet they nevertheless , potentially, form the climax community in many environments. The Holm oak forests are the characteristic forest
to develop in a typical Mediterranean climate and over wide areas and on a great variety of bedrocks in both acid and alkaline conditions. However variations of the typical Mediterranean climate, either drier or wetter, or hotter or colder, result in other potential forest dominants, and their inter-relationships are outlined in the diagram below.
The Cork oak, Quercus suber , is extensively grown in the Alentejo in Portugal and in this region alone one-third of the world 's cork supply is produced. It is also grown in south-west Spain and to a lesser extent in Catalonia in east Spain. The Cork oak woods are grown in open, often park-like forests . They may be regularly cultivated and kept clear of ground vegetation, or a dense scrub may be allowed to develop among the trees, mainly of Cistus ladanifer  and Erica arborea  with many other species of Cistaceae , Ericaceae , Leguminosae , and Labiatae  in particular. Many of these great Cork oak woods have been developed during the last century by large estates or latifundia, from waste land which was previously covered by matorral . A sample of a Cork oak wood matorral in Andalusia contained the following woody species :
The Olive is another important tree, which though not truly native in the Iberian peninsula, has been under cultivation in the west for at least two thousand years. Regular intensive cultivation is required to maintain olive groves in productivity; however a wild form of the olive does occur regularly in the hotter and drier matorrals  of the peninsula. For example, in Catalonia a matorral with the characteristic Dwarf Fan Palm Chamaerops humilis  is associated with the following: Pinus halepensis , Juniperus oxycedrus , Quercus coccifera , Euphorbia characias , Pistacia lentiscus , Pistacia terebinthus , Rhamnus lycioides , Rubia peregrina , and the wild olive Olea europaea  var. oleaster , The Aleppo pine, Pinus halepensis , is another important and widespread tree in the Mediterranean region and it forms open forests on shallow denuded soils which at one time may have supported the Holm oak. Like the Kennes oak, it is an invasive species on poor dry soils, particularly on limestone. The Aleppo pine often supports beneath it a typical matorral of Mediterranean evergreen shrubs as well as some bulbous and rhizomatous plants. It is particularly well developed on dry coastal hills and is largely responsible for the wooded appearance of much of the Mediterranean coastal landscape which still remains unspoiled by development. In south Portugal it has been planted on coastal hills from which it has spread. The Maritime pine, Pinus pinaster , dominates the more humid coastal hills particularly on acid siliceous soils, as well as the sands of much of the littoral. Extensive planting in Portugal has increased the area of Maritime pine five times during the last century. Maritime pine woods also occur in land on the sandy soils of Old Castile. These pinewoods, native or planted , are characterized by a matorral  of Cytisus , Genista , Ulex  and other shrubby Leguminosae , and Cistus , Halimium , Erica  species in particular. Eucalyptus  species are often planted with the pines, particularly in Portugal. The Stone or Umbrella pine, Pinus pinea , has a limited distribution in Iberia , being restricted to light sandy soils on the littoral. It forms natural forests on fixed dunes of the Coto de Donana and the Camargue.
Estas comunidades podem ser divididas aproximadamente em maquis  - onde o mato perene atinge a altura ou o dobro da altura de uma pessoa tipicamente tão denso que é difícil de se movimentar dentro dele e com muito pouca flora rasteira, e uma garrigue  (ou garigue) que é uma mais ou menos aberta comunidade de pequenos arbustos, muitas vezes com altura até ao joelho, e com folhosos muito aromáticos.
Maquis mediterraneo
Garrigue mediterranea
Existem todas as transições entre as duas formas de maquis e garrigue e o termo espanhol matorral  que inclui ambas as formas parece mais apropriado e vai ser usado como termo genérico no seguinte.
Matorral mediterraneo
Matorral  cobre hoje enormes áreas na zona mediterrânica e nas regiões centrais da Península Ibérica. Na sua forma mais desenvolvida, o matorral pode ocorrer como matagal denso de 2 à 4m de altura, composto em grande parte por uma mistura de arbustos de folhagem perene, dos quais os mais comuns são o medronheiro ( Arbutus unedo ) ,  urze-molar ( Erica arborea )  e sargaço ( Cistus monspeliensis ) ; outras espécies comuns e características são oliveira ( Olea europea ) [1] , espécies de Phillyrea  e de Pistacia , Viburnum tinus , espécies de Calicotome , esparto ( Spartium junceum ) , sabina-negral ( Juniperus phoenicea )  e cedro-de-espanha Juniperus oxycedrus , azinheira ( Quercus ilex )  e carrasco ( Quercus coccifera ) , alecrim ( Rosmarinus officinalis ) , Erica multiflora , Cytisus villosus ,   Genista monspessulana [2] , salsaparrilha ( Smilax aspera )  e espécies de espargo bravo Asparagus .
Nas diferentes regiões algumas espécies podem dominar grandes áreas e tornar assim a paisagem em variantes locais diferentes. Normalmente, a presença de tojo ( Ulex ) , Cytisus , Genista , Erica  e espécies de Cistus  é mais uma característica de solos com silício, solos mais ácidos; enquanto a prática de queimar o matagal para melhora as potencialidades do pastoreio favorece espécies resistentes ao fogo como espécies de Cistus , medronheiro ( Arbutus unedo )  e lentisco ( Pistacia lentiscus ) .
Matorral menos desenvolvido (mais baixo)  consiste na Península Ibérica em grande parte de arbustos perenes com pequenas folhas coriáceas, normalmente entre 1 e 1,5m de altura e frequentemente espinhosas. Estes arbustos podem crescer de maneira que são quase impenetráveis ou podem formar padrões mais dispersas com áreas consideráveis de solo nu entre eles. As famílias dominantes neste matorral baixo  são sem dúvida as Fabaceae ( Leguminosae ) , Cistaceae , Ericaceae  e Labiatae  enquanto famílias como Asteraceae  ( Compositae ) , Ranunculaceae , Liliaceae   fornecem muitas das plantas anuais que florescem na Primavera e no Outono, como de herbáceas perenes que constituam igualmente um tão interessante aspecto e uma característica do matorral mediterraneo em geral.
Existem muitos tipos de matorral na Península Ibérica, muitas distinguidas por nomes vernaculares:
brezal                  - charnecas em que espécies de Erica   e Calluna  predominam;
jaral                 - onde predominam espécies de Cistus  e Halimium ;
jaro                 - matagal de Erica arborea ;
bujedal                 - matagal de buxo ( Buxus sempervirens );
coscojal         - matagal em que Quercus coccifera  predomina;
tomillar                 - espécies de Salvia  e Thymus  predominantes;
espliegar         - Lavandula  comum entre outras espécies;
retamar         - Erica scoparia , dominância de espécies de Retama  ( Lygos )   e Cytisus .
Rivas Goday lista as espécies indicadoras de matorral baixo na Península Ibérica como:


Rosmarinus officinalis
Cistus  albidus
Halimium  atriplicifolium
Teucrium polium  ssp. capitatum
Helichrysum  stoechas
Stipa  lagascae
Lithospermum  fruticosum
Cistus monspeliensis
Dorycnium pentaphyllum
Thymus vulgaris
Thymus  zygis
Ruta angustifolia
enquanto em solos acidos as seguintes espécies são características:


Cistus  crispus
Halimium umbellatum
Lavandula stoechas
Erica scoparia
Erica  umbellata
Cistus ladanifer  
Genista hirsuta

Matorrais são particularemnete abundantes em zonas com solos pouco profundos e com pouca chuva e alta evaporação. São características para as encostas de sul e do planalto pedregoso do centro da Ibéria. Um dos mais abundantes é o tomillar  com espécies predominantes de Thymus  e de muitas Labiatae  e é neste tipo de comunidade onde muitas espécies endémicas da Ibéria ocorrem.
 
Tomillar  no centro da Ibéria
Thymus zygis  no Rabaçal, Portugal
Jaral , dominado por espécies de Cistus , em particula Cistus ladanifer , é muito abundante, e cobre vastas áreas no sul de Portugal e no sul-oeste da Espanha.
Jaral  , perto de Ciudad Real  na Castilla-La Mancha, Espanha
Num outro tipo distinto de matorral, a palmeira anã ( Chamaerops humilis ), única espécie nativa de palmeira da Europa, é abundante. Este tipo estende-se numa considerável área sobre colinas mais áridas no sul e leste da Península Ibérica. A palmeira anã também ocorre no Algarve, em Portugal.
Área com Chamaerops humilis no Sul-Oeste da Espanha
Palmeiras anãs ( Chaerops humilis ) num pinhal ( Pinus pinea ) na Ria Formosa (Algarve, Portugal) [3]
Quando fortemente sobrepastejado ou continuamente queimado ou cortado, o matorral pode reverter para o mais improdutivo de todas as vegetações, onde a cobertura de sol é perdida e onde apenas espécies extremamente resistentes conseguem sobreviver. Estas comunidades são de vez em quanto chamado pseudo-estepes [4]  também chamadas estepes de Asphodelus , uma vez que espécies de Asphodelus  predominam nestas estepes e que não apenas conseguem sobreviver nestas condições extremamente difíceis, mas que por uma ou outra razão também são intragável aos animais de pastagens. A propagação de espécies como Verbascum , Urginea maritima , Asphodelus  e algumas plantas excessivamente espinhosas  é, sem dúvida, bastante facilitada por serem intragáveis.
Pseudo-estepes
Pseudo-estepes  são, desta forma, determinadas biologicamente e nisso diferem de estepes verdadeiras que são determinadas em primeiro lugar por condições do clima e do sol. Estas pseudo-estepes têm frequentemente um número grande de anuais das famílias de Cistaceae , Fabaceae   ( Leguminosae ) , Asteraceae  ( Compositae )  e Gramineae ( Poaceae )  que podem torna-las num grande espectáculo de cores por um período breve na primavera. Existem aí também um número de espécies bulbosas ou com rizomas que florescem por um curto período de tempo na primavera ou no outono.
Temos de mencionar ainda que a definição do termo ‘pseudo-estepe’ como dado no Polunin & Smythies  e o uso actual to termo não parecem coincidir integralmente. Talvez que os “ estepes de Asphodelus ” já sejam um extremo de degradação no espéctro das pseudo-estepes. No projecto Natura2000 a ‘pseudo-estepe’ é ligado ao habitat 6220  de sub-estepes de gramíneas, ou é usado para caracterizar este habitat. Também o termo ‘pseudo-estepe’ é usado para ‘estepes cerealiferas’. Segundo Natura2000 as percentagens de distribuição de pseudo-estepes na Europa são as seguintes:
Percentage distribution of the total surface of pseudo-steppes with grasses and annuals of the Thero-Brachypodietea  in Natura 2000
Asphodelus albus
Embora que florestas , reduzidas à matorral ou eliminadas por agricultura, constituem uma tão pequena parte da área coberta na nossa área, elas, no entanto, formam potencialmente a comunidade climax em muitos ambientes.
As florestas da azinheira ( Quercus ilex )   são as florestas características a desenvolver-se num clima tipicamente mediterrânico e numa vasta área e grande variedade de rocha mãe e em condições de solos ácidos como alcalinas.
No entanto, variações do clima mediterrânico, mais árido ou mais húmido, mais quente ou mais frio, determinam outras florestas potenciais dominantes cujas interrelaçoes são delineadas na seguinte figura:
As relações entre algumas comunidades de florestas da Ibéria (from “Polunin & Smythies”, 1973) [5]
O sobreiro ( Quercus suber )  é cultivado extensivamente no Alentejo  em Portugal e é  nesta região apenas, onde se produz um terço da produção mundial de cortiça. Também e cultivado no sul-oeste da Espanha e, numa extensão menor, na Catalunha  no leste da Espanha.
Os sobreiros são cultivados em florestas abertas parecidas frequentemente com parques. Podem ser lcultivadas e manutidas limpas de vegetação rasteira ou pode ser permitido mato denso entre as árvores, em geral Cistus ladanifer   e Erica arborea   com muitas outras espécies de Cistaceae ,   Ericaceae , Fabaceae (Leguminosae)   e Labiatae em particular.
Muitas das florestas grandes de Quercus suber foram cultivadas durante o último século pelas grandes propriedades ou latifúndios  a partir de terrenos baldios que antes foram cobertos com matorral.
Sobreiros ( Quercus suber ) na Andaluzia
Uma amostra de matorral com Quercus suber   na Andaluzia  tinha as seguintes espécies lenhosas:


Quercus coccifera
Daphne gnidium
Calicotome villosa
Cistus ladanifer
Chamaespartium tridentatum
Cistus crispus
Stauracanthus boivinii
Cistus monspeliensis
Adenocarpis telonensis
Cistus salviifolius
Pistacia lentiscus
Halimium halimifolium
Thymelaea lanuginosa
Myrtus communis
Erica australis
Phillyrea angustifolia
Erica scoparia
Lithospermum diffusum
Arbutus unedo
Lavandula stoechas
Olea europaea
Teucrium fruticans
Chamaerops humilis
A oliveira  é outra árvore importante, que embora não verdadeiramente nativa na Península Ibérica, tem sido cultivada no oeste por 2000 anos no mínimo. Os estudos genéticos mais recentes indicam que a origem da oliveira possivelmente será a Asia Menor [6].

Cultivo regular e intenso é necessário para manter arvoredos de oliveiras em produtividade; no entanto, uma forma silvestre da oliveira (Olea oleaster) [7] ocorre regularmente em matorrais mais quentes e secas na Península Ibérica.
Olival no Alentejo, Portugal
Oliveira antiga ( Olea europaea )
Na Catalunha, por exemplo, um matorral com a palmeira anã (Chamaerops humilis) está associado com as seguintes espécies:


Pinus halepensis
Juniperus oxycedrus
Quercus coccifera
Euphorbia characias
Pistacia lentiscus
Pistacia terebinthus
Rhamnus lycoides
Rubia peregrina
Olea europaea var. oleaster
O Pinheiro-de-Alepo  ( Pinus halepensis ) é outra árvore importante com distribuição ampla na região mediterrânica - onde forma florestas abertas em solos pouco profundos e denudados que antes podem ter suportados azinheiras ( Quercus ilex ). Tal como o carrasco ( Quercus coccifera ), o pinheiro-de-alepo é uma espécie invasiva em solos pobres e secos, especialmente em solos calcários. O pinheiro-de-alepo suporta frequentemente entre espaços abertos o matorral típico mediterrânico e também uma série de plantas bulbosas e rizomáticas.
Ele desenvolves-se particularmente bem em colinas secas costeiras e é responsável em grande parte pela aparência florestal de grande parte da costa mediterrânica desde ainda não destruído por desenvolvimentos urbanos. No sul de Portugal tem sido plantado nas colinas costeiras de onde se tem propagado.
O Pinheiro-bravo ou pinheiro-marítimo  ( Pinus pinaster ) domina mais as colinas húmidas particularmente em solos ácidos de silício e solos arenosos ou areias (dunas) do litoral. Plantação extensiva do pinheiro-marítimo tem aumentado a sua área de distribuição 5 vezes no século passado em Portugal.
Pinheiro-bravo ( Pinus pinaster )
Florestas de pinheiro marítimo ocorrem também no interior em solos arenosos de Castelã-a-Velha. Estes florestas de pinheiros, nativos ou plantados, são caracterizadas por matorral com Cytisus , Genista , Ulex  e outras leguminosas lenhosas, e por espécies de Cistus , Halimium  e Erica  em particular. Eucalipto ( Eucalyptus globulus ) é frequentemente plantado em mistura com o pinheiro marítimo, sobretudo em Portugal.
Eucalipto ( Eucalyptus globulus )
O Pinheiro-manso  ( Pinus pinea ) tem uma distribuição restrita na Ibéria, limitado aos solos arenosos da costa. Forma florestas naturais em dunas do Coto Doñana (Guadalquivir) e na Camarga no Sul-Oeste da França.
Pinheiro-manso ( Pinus pinea )

Veja à seguir: 1.2.4a.3.3 Vegetação - 3. Florestas sub-montanas


[1]  Oleaster ( Olea oleaster ), a oliveira brava, é considerada às vezes espécie nativa da oliveira (Olea europea)
[2]  Sinónimos: Teline monspessulana
[5]  Segundo Paviari, ‘Fundamentos ecologie, e tecnicos, de silvicultura nos paises mediterraneon’, Estudos e Informação Direcc. Geral dos Serviços Flor. e Aquae ,  85, Feb. 1958, pp 1-28. 

[6] PLOS ONE | www.plosone.org -  Mehdi Hosseini-Mazinani., Roberto Mariotti, Bahareh Torkzaban, Massoma Sheikh-Hassani, Saeedeh Ataei, Nicolo` G. M. Cultrera, Saverio Pandolfi, Luciana Baldoni: High Genetic Diversity Detected in Olives beyond the Boundaries of the Mediterranean Sea.   April 2014 | Volume 9 | Issue 4 | e93146
 

[7]  Oleaster ( Olea oleaster ), a oliveira brava, é considerada às vezes espécie nativa da oliveira (Olea europea) 

 

Sem comentários:

Submitir informação sobre uma espécie de plantas

Arquivo do blogue

Seguidores