A Associação "Trilhos d'Esplendor" com sede na Praia de Quiaios, Figueira da Foz, pretende fazer em caminhadas guiadas uma descrição fotográfica da Flora da Serra da Boa Viagem e das Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas. Também mostramos o uso fito-terapêutico desta Flora cujo valor na medicina tradicional é bem conhecido na população local. São todos convidados para descobrir a beleza florística desta terra. Visitem uma das regiões mais importantes de biodiversidade de Portugal!

Download of PDFs (2 Volumes - Eds. 2014):

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. I - Introdução - 371 pp.) (->Download)

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. II - Portugal - 1559 pp.) (-> Download)

(contains Web links to Flora-On for observed plant species, Web links to high resolution Google satellite-maps (JPG) of plant-hunting regions from the Iberian peninsula; illustrated text in Portuguese language)


Pesquisar neste blogue

Flora da Serra da Boa Viagem - Folha de Cálculo - > 500 Taxa - > 5000 Fotografias, Scans e Chaves

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited - última compilação

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited (Volume I - Portugal) Download PDFs (>300MB)

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Flowers of South-West Europe revisited (I.2.4a3.7 - A Península Ibérica)

“Flowers of South-West Europe - a field guide” - de Oleg Polunin e B.E. Smythies

“Revisitas” de regiões  esquecidas no tempo - “Plant Hunting Regions” - a partir de uma obra de grande valor para o especialista e amador de botânica como da Natureza em geral.

Por

Horst Engels, Cecilia Sousa, Luísa Diniz, Nicole Engels, José Saraiva

da

Associação “Trilhos d’Esplendor”

I .2   Relevo, Geologia, Clima e Vegetação da Península Ibérica

1.2 Relevo, Geologia, Clima e Vegetação da Península Ibérica

1.2.4a Vegetação - 7. Comunidades sub-alpinas

Comunidades de plantas mediterrânicas perenes

1.   Florestas das planícies e das colinas .  Florestas de carvalhos perenes e de pinheiros.

2.   Comunidades de matos.  Matorral e pseudo-estepes.

3.   Florestas sub-montanas .  Florestas semi-caducifólias e caducifólias.

Comunidades Central Europeus e Atlânticos de plantas caducifólias

4.   Florestas caducifólias .  Florestas de Quercus  e de Castanea.

5.   Charnecas e prados.

Comunidades de plantas montanas,  sub-alpinas e alpinas

6.   Florestas montanas.  Florestas de Faja , Pinus e Abies.

7.   Comunidades sub-alpinas.  Prados, pastos e arbustivos.

8.   Comunidades alpinas.

Comunidades marítimas e halófilos

9.   Dunas, areias e pântanos.

10.   Estepes

Comunidades de água doce e zonas húmidas

7. Comunidades sub-alpinas

Polunin & Smythies  escrevem (p. 33-34):

7. Sub-alpine communities

At approximately 1600-2000 m is a very distinctive vegetational zone, particularly characteristic of the mountains of the arid regions. This is, in popular parlance, the 'hedgehog' zone and it replaces a scrub of Rhododendron , Vaccinium , Arctostaphylos , and Junipers, that occurs above the tree-line in the higher mountains of central Europe.

The 'hedgehog' zone is composed of low, rounded, intricately branched, spiny shrubs, often domed in shape. They are able to tolerate the extremely severe conditions that prevail and must withstand heavy snow cover, short growing periods, dry arid summers, and often strong winds. Reduction in leaf size, and the general development of woodiness, often associated with spines, are adaptations which help them to survive, while a short-lived flowering period, very intense when it comes, is characteristic. Consequently in the space of a few days the dry stony mountain sides may suddenly burst into flower and as quickly fade into drabness. A number of families take on the 'hedgehog' form, but the Leguminosae  predominate with Astragalus ,   Genista , Echinospartum , and in particular Erinacea anthyllis ,   Berberis hispanica , Vella spinosa , Ptilotrichum spinosum , Bupleurum spinosum , are other examples from widely differing families, which develop this very distinctive plant form. This 'hedgehog' zone is well developed on the drier, southern slopes of the Pyrenees, and on the highest Sierras of central and south Spain, and in particular on the Sierra Nevada, as well as on the Atlas mountains of Morocco. The unique climatic conditions coupled with the isolation of these high mountains have helped to evolve communities of plants which are rich in endemic species (see Sierra Nevada, page 74). Each isolated mountain-top may show an interesting collection of species, many with varied and often disjointed types of distribution. For example, Prunus prostrata  occurs only on the high mountains of south Spain, North Africa and on the 'stepping-stones' of Corsica and Sardinia, and is then more widespread further east, from Yugoslavia to the Lebanon. By contrast, Erinacea anthyllis  occurs only in the mountains of the arid zone of Iberia (including the Pyrenees) and in the high mountains of North Africa. In sub-alpine climates with heavier rainfalls, particularly during the summer season (as for instance on the Serra da Estrela in central Portugal, the northern slopes of the high Pyrenees, and the Massif Central) mountain grasslands develop on the deeper soils. Mountain pastures everywhere in Iberia are important summer grazing areas: there is regular transhumance from the plains to the mountains and in consequence the climax dwarf shrub communities, largely of Juniperus communis  subsp. nana , which develop naturally above the tree-line, have been greatly modified by firing and grazing.

Numa altitude entre 1600-2000m NN existe uma zona de vegetação muito característica e distintiva, sobretudo nas montanhas de zonas áridas. Este zona é chamada popularmente “hedgehog”-zone  e substitui mato de Rhododendron , Vaccinium , Arctostaphylos  e Juniperus  que ocorrem acima do limite florestal nas montanhas mais altas da Europa.

Zona sub-alpina de vegetação “hedgehog” na Sierra de las Nieves (ao fundo Abies pinsapo ) [1]

Zona sub-alpina de vegetação “hedgehog” ( Erinacea anthyllis ) na Sierra de las Nieves (ao fundo Quercus lusitanica ) [2]

Sierra de las Nieves [3]

A zona do “ hedgehog ” é composta por baixos, redondos, intrinsecamente ramificados e espinhosos arbustos, frequentemente abauladas na sua forma.

Têm de ter capacidade de tolerar as condições extremas e severas que predominam e têm de aguentar pesadas camadas de neve, períodos vegetativos curtos, verões secos e áridos e frequentemente ventos fortes. Redução em tamanho das folhas, o desenvolvimento geral de caules lenhosos, frequentemente associado com espinhas são adaptações que ajudam lhes sobreviver, enquanto um período curto de floração muito intenso quando ocorrer é característico. Em consequência, num espaço de poucos dias encostas secas e pedregosos de montanhas podem de repente tornar-se áreas florescidas e as cores desvanecer novamente.

Um número de famílias pode tomar a forma de “hedgehog”, no entanto as Fabaceae  ( Leguminosae ) predominam com Astragalus , Genista , Echinospartium  e em particular Erinacea anthyllis .

Erinacea anthyllis [4]

Erinacea anthyllis

Berberis hispanica , Vella spinosa , Alyssum  ( Ptilotrichum) spinosum , Bupleurum spinosum  são outros exemplos de famílias muito diversas que desenvolvem esta forma de hedgehog.

Berberis hispanica   (Berberidaceae)

Vella spinosa   (Brassicaceae)

Alyssum spinosum (Brassicaceae)

Bupleurum spinosum   (Apiaceae)

Esta zona de ‘hedgehog’ está bem desenvolvida nas encostas mais secas do lado sul dos Pirenéus  e nas serras mais altas  do Centro e Sul da Espanha  e em particular na Sierra Nevada , tanto como nas montanhas do Atlas de Marrocos .

As condições climáticas únicas em conjunto com a isolação destas montanhas altas permitiu o desenvolvimento de comunidades ricas em espécies endémicas (veja Serra Nevada). Cada cume de montanha pode mostrar um conjunto rico em espécies, muitas com distribuição variada e disjunta. Por exemplo, Prunus prostata  ocorre apenas nas montanhas altas do sul da Espanha, de África do Norte e nos ‘stepping stones’ de Córsega e Sardenha, e a seguir com uma distribuição mais regular a partir de Jugoslávia até ao Líbano.

Prunus prostata (syn. Cerasus prostata) (Iran,Razawi Khorasam, Koppe Dag mountains, pass 2030m. 15 km S of Bajgiran [5]

Prunus prostata [6]

Prunus prostata (frutos) [7]

Em contrapartida, Erinacea amthyllis  occorre exclusivamente nas zonas áridas das montanhas da Ibéria (incluindo os Pirenéus) e nas montanhas mais altas de África do Norte.

Erinacea amthyllis [8]

Em climas sub-alpinas com chuvas mais fortes, particularmente durante a época de verão (como por exemplo na Serra da Estrela no centro de Portugal, nas encostas norte dos Pirenéus centrais e do Maciço central), os prados montanos (cervunais) se desenvolvem nos solos mais profundos.

Cervunal na Serra da Estrela, Portugal. [9]

Cervunal e arbustivos da zona sub-alpina acima da Nave de Santo António, Serra da Estrela (Portugal)

Nave de Santo António, Serra da Estrela (Portugal)

Nardus stricta  L. (cervum) é a única espécie do género e da tribo Nardeae . Distribui-se por toda a Europa, a Sul apenas em montanhas; a Serra da Estrela constitui o seu limite setentrional. Calcífuga, é típica de turfeiras e domina nos cervunais [10] [11]

Gentiana pneumonanthe  num cervunal húmido na Torre, Serra da Estrela (Portugal)

Pradarias são em todo lado na Ibéria importantes pastagens de verão: existe transumância regular das planícies para as montanhas, e em consequência, as comunidades climax de arbustos rasteiros, em grande parte formado por zimbro Juniperus communis  ssp. nana   que se desenvolvem naturalmente acima da fronteira florestal, têm sido bastante modificados pelas queimas e o pastoreio.

Zimbro ( Juniperus communis  ssp. nana ) na Serra da Estrela (Torre), Portugal

Zimbro ( Juniperus communis  ssp. nana ) na Serra da Estrela (Torre), Portugal

Zimbro ( Juniperus communis  ssp. nana ) e cervunal na Serra da Estrela (Torre), Portugal

Zimbro ( Juniperus communis  ssp. nana ) e urze ( Calluna vulgaris ) na Serra da Estrela (Torre), Portugal

Veja à seguir: 1.2.4a.3.4 Vegetação - 8. Comunidades alpinas.

Home (Index)


Sem comentários:

Submitir informação sobre uma espécie de plantas

Arquivo do blogue

Seguidores