A Associação "Trilhos d'Esplendor" com sede na Praia de Quiaios, Figueira da Foz, pretende fazer em caminhadas guiadas uma descrição fotográfica da Flora da Serra da Boa Viagem e das Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas. Também mostramos o uso fito-terapêutico desta Flora cujo valor na medicina tradicional é bem conhecido na população local. São todos convidados para descobrir a beleza florística desta terra. Visitem uma das regiões mais importantes de biodiversidade de Portugal!

Download of PDFs (2 Volumes - Eds. 2014):

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. I - Introdução - 371 pp.) (->Download)

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. II - Portugal - 1559 pp.) (-> Download)

(contains Web links to Flora-On for observed plant species, Web links to high resolution Google satellite-maps (JPG) of plant-hunting regions from the Iberian peninsula; illustrated text in Portuguese language)


Pesquisar neste blogue

Flora da Serra da Boa Viagem - Folha de Cálculo - > 500 Taxa - > 5000 Fotografias, Scans e Chaves

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited - última compilação

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited (Volume I - Portugal) Download PDFs (>300MB)

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Flowers of South-West Europe revisited (I.2.4a3.3 - A Península Ibérica)

“Flowers of South-West Europe - a field guide” - de Oleg Polunin e B.E. Smythies

“Revisitas” de regiões  esquecidas no tempo - “Plant Hunting Regions” - a partir de uma obra de grande valor para o especialista e amador de botânica como da Natureza em geral.

Por

Horst Engels, Cecilia Sousa, Luísa Diniz, Nicole Engels, José Saraiva

da

Associação “Trilhos d’Esplendor”

I .2   Relevo, Geologia, Clima e Vegetação da Península Ibérica

1.2 Relevo, Geologia, Clima e Vegetação da Península Ibérica

Comunidades de plantas mediterrânicas perenes

1.   Florestas das planícies e das colinas .  Florestas de carvalhos perenes e de pinheiros.

2.   Comunidades de matos.  Matorral e pseudo-estepes.

3.   Florestas sub-montanas .  Florestas semi-caducifólias e caducifólias.

Comunidades Central Europeus e Atlânticos de plantas caducifólias

4.   Florestas caducifólias .  Florestas de Quercus  e de Castanea.

5.   Charnecas e prados.

Comunidades de plantas montanas,  sub-alpinas e alpinas

6.   Florestas montanas.  Florestas de Faja , Pinus e Abies.

7.   Comunidades sub-alpinas.  Prados, pastos e arbustivos..

8.   Comunidades alpinas.

Comunidades marítimas e halófilos

9.   Dunas, areias e pântanos.

10.   Estepes

Comunidades de água doce e zonas húmidas

1.2.4a Vegetação - 3. Florestas sub-montanas.

Polunin & Smythies  escrevem (p. 29-30)

3. Sub-montane forests

In cooler, more humid climates in the hills with rainfall between 700-900 mm, the semi-evergreen Lusitanian oak, Quercus faginea , replaces the Holm oak. It forms extensive forests along the western Atlantic hills, and in the south-west of Spain, between the coastal pine forests and the deciduous montane forests. An example of this forest in the Mondego valley of central Portugal has the following assemblage of species:

The White oak, Quercus pubescens , may also form an open climax forest in the hills of the Mediterranean region where the temperature is a little lower and rainfall higher; it is sometimes called the montane submediterranean climax. It occurs in the Cantabrian mountains between the Pedunculate oak, Q. robur , forests and the beech forests, while in the Pyrenees it is found between the Lusitanian oak, Q. faginea , forests and the beech forest. With it, the lime and Montpellier maple , Acer monspessulanum , may often be found, and the associated flora is rich in species.

The deciduous Pyrenean oak, Quercus pyrenaica , is a characteristic forest-former in the Central Sierras and the Iberian Mountains, at altitudes ranging from 1200-1400 m, particularly in Burgos and Logrono provinces. But over much of the peninsula these forests have been reduced to matorral  which is now dominated by Cistus laurifolius  and Adenocarpus  species, and often with these shrubs Paeonia broteroi is found. In the Sierra de Cazorla the latter occurs with the Corsican pine, Pinus nigra  subsp. salzmannii . This tree forms important forests in hills of central and eastern Spain, the Pyrenees, south-west France, and the Cevennes. The Scots pine, Pinus sylvestris , forms extensive forests in the Iberian mountains and the Central Sierras but occurs only as a sparse outlier further south in the Sierra Nevada. In the Central Sierras, it is well developed at altitudes of 1400-1800 m with an under-scrub of Juniperus communis . Genista florida , Adenocarpus telonensis , Erica arborea , etc., while above 1800 m they are replaced by a spiny hedgehog scrub of Cistus  and Genista  species. On the wetter slopes and in the valleys of the Northern Iberian mountains there are magnificent pine forests, perhaps some of the best in Spain, while the south Iberian mountains have largely been deforested of their oak and pine, and heathlands have taken their place. Between Cuenca and Teruel on the Serrania de Cuenca there are extensive pine woods and Juniperus  scrub.

Nas colinas e montes de regiões menos quentes e mais húmidos e com pluviosidades entre 700 e 900mm, o semi-perene carvalho-português ( Quercus faginea )  substitui a azinheira ( Quercus ilex ) dos climas mais quentes da Península Ibérica.

Floresta de Quercus faginea

Quercus faginea  no Alto dos Barreiros, Coimbra (Portugal)

Quercus faginea  no Alto dos Barreiros, Coimbra (Portugal)

O carvalho-português ( Quercus faginea ) [1]   forma vastas florestas ao longo da costa atlântica ocidental  e no sul-oeste da Espanha , entre as florestas costeiras de pinheiro-marítimo  ( Pinus pinaster ) e as florestas caducifólias montanas. Um exemplo desta floresta do Vale do Mondego no Portugal (Centro) mostra a seguinte assembleia de espécies:

Laurus nobilis

Vinca difformis

Rosa sempervirens

Origanum virens

Euphorbia characias

Centaurea sempervirens

Rhamnus alaternus

Asparagus aphyllus

Daphne gnidium

Ruscus aculeatus

Hedera helix

Smilax aspera

Phillyrea spec.

Iris foetidissima

Quercus pubescens  pode também formar uma floresta aberta de climax nas regiões montanhosas da região mediterrânica, em regiões onde a temperatura é ligeiramente mais baixa e a pluviosidade mais alta; este climax é às vezes chamado ‘ climax submediterrânico montano . A espécie ocorre nas Cantâbricas  entre florestas de carvalho-roble ( Quercus robur ) e de faia ( Fagus sylvatica ), enquanto nos Pirenéus  ela é encontrada entre florestas de Quercus faginea  e de Fagus sylvatica . Em companhia encontra-se frequentemente a zelha ( Acer monspessulanum ) com uma rica flora associada.

Carvalho negral ( Quercus pyrenaica )

O carvalho-negral ( Quercus pyrenaica ), uma árvore caducifólia, que forma florestas nas Cordilheiras Centrais  e Sistema Ibérico , em altitudes entre 1200-1400m NN, particularmente nas províncias de Burgos e Logroño. Mas em grande parte da península estas florestas têm sido reduzidas à matorral dominado por Cistus laurifolius   e espécies de Adenocarpus . F requentemente, nestes matos, Paeonia broteroi   é encontrado.

Paeonia broteroi numa floresta de Quercus

Na Sierra de Cazorla ela encontra-se associada à Pinus nigra ssp. salzmanni . Esta subespécie do pinheiro-larício ( Pinus nigra ) forma importantes florestas nos montes de Espanha Central  e do leste da Espanha , nos Pirenéus , no Sul-oeste da França e nas Cevenas .

Pinus nigra ssp.  salzmanni (Sierra de Cazorla) [2]

Pinus nigra ssp.  salzmanni [3]

O pinheiro-da-escócia ( Pinus sylvestris ) forma vastas florestas nas Montanhas Ibéricas e na Cordilheira Central  mas ocorre apenas de vez em quanto mais para sul na Sierra Nevada . Na Cordilheira Central está bem desenvolvido em altitudes entre 1400-1800m NN com matos de J uniperus communis , Genista florida , Adenocarpus telonensis , Erica arborea  etc, enquanto acima de 1800m NN estes matos são substituídos por matos espinhosos de espécies de Genista  e Cistus .  Nas encostas mais húmidas e nos valles da parte norte das Montanhas Ibéricas  existem florestas de Pinus sylvestris  magníficos, talvez umas da melhores da Espanha, enquanto a parte sul das Montanhas Ibéricas têm ser deflorestadas dos pinheiros e carvalhos e agora matos e charneca os substituíam. Entre Cuenca e Teruel na Serranía de Cuenca  existem extensas florestas de pinheiros ( Pinus sylvestris ) com mato de Juniperus .

Pinus sylvestris  (Glen Quoich, Scotland) [4]

Pinus sylvestris en la Sierra de Baza (Granada) [5]

Veja à seguir: 1.2.4a.3.4 Vegetação - 4. Florestas caducifólias.

Home (Index)


[1]  Segundo a Flora Iberica , uma espécie diferente, mas parecida com Quercus faginea  é Quercus lusitanica  que ocorre também em Portugal.

Sem comentários:

Submitir informação sobre uma espécie de plantas

Arquivo do blogue

Seguidores