A Associação "Trilhos d'Esplendor" com sede na Praia de Quiaios, Figueira da Foz, pretende fazer em caminhadas guiadas uma descrição fotográfica da Flora da Serra da Boa Viagem e das Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas. Também mostramos o uso fito-terapêutico desta Flora cujo valor na medicina tradicional é bem conhecido na população local. São todos convidados para descobrir a beleza florística desta terra. Visitem uma das regiões mais importantes de biodiversidade de Portugal!

Download of PDFs (2 Volumes - Eds. 2014):

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. I - Introdução - 371 pp.) (->Download)

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. II - Portugal - 1559 pp.) (-> Download)

(contains Web links to Flora-On for observed plant species, Web links to high resolution Google satellite-maps (JPG) of plant-hunting regions from the Iberian peninsula; illustrated text in Portuguese language)


Pesquisar neste blogue

Flora da Serra da Boa Viagem - Folha de Cálculo - > 500 Taxa - > 5000 Fotografias, Scans e Chaves

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited - última compilação

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited (Volume I - Portugal) Download PDFs (>300MB)

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Flowers of South-West Europe revisited (I.2.4a2 - A Península Ibérica)

“Flowers of South-West Europe - a field guide” - de Oleg Polunin e B.E. Smythies

“Revisitas” de regiões  esquecidas no tempo - “Plant Hunting Regions” - a partir de uma obra de grande valor para o especialista e amador de botânica como da Natureza em geral.

Por

Horst Engels, Cecilia Sousa, Luísa Diniz, Nicole Engels, José Saraiva

da

Associação “Trilhos d’Esplendor”

I .2   Relevo, Geologia, Clima e Vegetação da Península Ibérica

1.2 Relevo, Geologia, Clima e Vegetação da Península Ibérica

1.2.4a2 Vegetação - Introdução (cont.)

Polunin & Smythies escrevem (p. 19-24):

Willkomm [1]  estimated in 1896 that there were 5,660 species of flowering plants, cone-bearing plants, and ferns native in the Iberian peninsula, and that 1,465 of these were exclusive, or endemic, to the peninsula. These numbers may have to be modified somewhat, particularly in the light of more recent and detailed exploration of North Africa, and also because of a fuller understanding of the status of the species. But for want of a more up-to-date appraisal, they give a good indication of the richness and interest of this unique Iberian flora. In Europe, only the Balkan peninsula can match these numbers. Turrill, after an exhaustive analysis of the Balkan flora, estimated in 1929 a total of 6,530 species of flowering and cone-bearing plants, of which 1,754 are endemic Balkan species. The south-western and south-eastern extremities of the European continent are by far the richest in plant species.

The reasons for such a rich diversity in the flora of Iberia are many, In the first instance the absence of any permanent ice cap in  the south-west during the last ice age has resulted in the survival of a large number of ancient Tertiary species , which have been eliminated elsewhere in Europe. Many of the 'old ' and most distinctive endemic species belong to this category. Secondly, the proximity of a rich North African flora has helped to swell the numbers. Though the Straits of Gibraltar may have been broached up to ten million years ago, it has not acted as a complete barrier to the northern spread of plant species and many have penetrated into the southern hotter regions of Iberia from North Africa. Thirdly, the relative geographical isolation of the Iberian peninsula has resulted in the separation of its own breeding species from those of adjacent breeding stock, with the result that cross-breeding has been reduced and gradual evolution of new species has occurred, and is still occurring. This accounts for a large proportion of the Iberian endemic species and particularly those which are relatively 'recent', which may still have closely related species in adjacent countries. Fourthly, the climate of Iberia has as varied a range of conditions as anywhere in Europe. This has helped to produce 'niches' where plants of different tolerances can survive: notably the unique steppe regions and the isolated high mountain ranges with climates unlike that of any other part of Europe.

In the Iberian peninsula there are today a number of genera which are in all probability actively evolving. They produce a high proportion of new species which are able to survive in the great variety of habitats and climates which the Iberian peninsula offers. The most noteworthy are: Centaurea with 90 species including about 50 endemic species ; Linaria  with 52 species including 36 endemic species; Thymus  with 31 species including 24 endemic species; Genista  with 33 species including 22 endemic species; Cytisus  with 15 species including 9 endemic species: Ononis  with 41 species including 17 endemic species; Armeria  with 30 species including 23 endemic species; Teucrium  with 35 species including 20 endemic species; Narcissus  with 45 species including 22 endemic species, It should, however, be stressed that the exact numbers depend upon the interpretation botanists put on the term 'species' ; and that not all endemic species are evolutionerily 'recent'.

The main floristic elements of our area can be summarized as follows. The Western Mediterranean  element comprises about 2,350 species, none of which occurs further east than the Cevennes. They include not only the 1,465 Iberian endemic species, but also 480 North African-Iberian species. It is this element that is so very important in Iberia; it accounts for two-fifths of the total and gives the flora a very distinctive character quite unlike any other part of Europe. The Circum-Mediterranean  element accounts for anot her one-fifth of the total. These are plants which occur throughout the whole Mediterranean region. Many of these plants penetrate into the arid regions of the interior of Spain and into the meseta, and give it a peculiarly Mediterranean aspect. Portugal also possesses a high percentage of Mediterranean species despite its Atlantic position. In the coastal regions and evergreen forests of the south and centre of Portugal the proportion of Mediterranean species may be as high as fifty to sixty per cent, while the Atlantic element here may be as low as twelve per cent. The Central European  and Alpine  elements account for much of the remaining two-fifths of the flora. There are about 1,630 species that have a wide distribution in Europe and which occur in the Iberian peninsula mostly in the pluviose regions and the montane and sub-alpine regions. Many of these do not penetrate as far west as Portugal and this is one of the reasons why the flora of Portugal is relatively poor in species and contains a total of less than 3,000. Also included in this category are the 180 or so Pyrenean endemic species.

Other less important but equally interesting floristic elements include the Western Atlantic  or Lusitanian  element which occupies the Atlantic seaboard of western Europe and adjacent inland areas. It comprises many species in genera such as Erica , Ulex , Genista , Halimium , as well as Corema , Drosophyllum , Daboecia , and Lygos . The North African-Iberian element is also of great interest. It consists of about 480 speci es which have their main distribution in North Africa, but which spread into the arid regions of south and south-eastern Spain and into the mountains of the south.

One of the smallest elements of all are the 48 or so species which are found in the steppe regions of Spain. They occur nowhere else in Europe or in North Africa, and their nearest living relatives are to be found in the steppes of Asia Minor and Central Asia.

To these natural elements of the flora must be added a further category - that of plants introduced by man during historical times and earlier. There are many examples, such as vines and olives from the Middle East, citrus fruits from the Far East, Eucalyptus  and Acacia species from Australia, and many sub-tropical species, all of which can flourish and often become naturalized in the warm climates of Southern Iberia.

Other examples are weeds like the Bermuda Buttercup and the Hottentot Fig from South Africa, which have become naturalized and are now well established as an integral part of our contemporary flora.

Rather than considering species individually, it is more revealing to consider the types of plant community that exist, for they largely determine the character of the landscape. Each plant community has its own characteristic assemblage of species, and the least experienced planthunter knows that some species, often the less common ones, can only be found in a certain type of community and that it is useless to search for them elsewhere. The Central European school of plant-sociologists (Zürich-Montpellier School) has, during the last half century, devised a nomenclature for the main types of such communities found in Europe.

Dr Rivas Goday is one of the main Spanish workers in this field, and he has described many different types of forest, shrub, and steppe communities in the peninsula, each with their own distinctive floristic composition. As the system is complex, a much simplified analysis of the main types of vegetation found in our area is outlined as follows :

Mediterranean evergreen plant communities

1. Lowland and hill forests. Evergreen oaks and pine forests.

2. Scrub communities . Matorral and pseudo-steppes.

3. Sub-montane forests. Semi-deciduous and deciduous forests.

Central European and Atlantic deciduous plant communities

4. Deciduous forests. Oak and chestnut forests.

5. Heathlands and grasslands.

Montane, sub-alpine, and alpine plant communities

6. Montane forests. Beech, pines, silver fir forests.

7. Sub-alpine communities. Meadows and scrub.

8. Alpine communities.

Maritime and salt-tolerant plant communities

9. Dunes, sands, and salt marshes.

10. Steppes.

Freshwater, wetland communities

Each of these plant communities has one or more dominant species by which it can easily be recognized, and which has a very profound effect on all the associated species by helping to form micro-climates in which the associated species can survive. Once the dominant species of each community is known it is not a difficult matter to identify broadly the type of plant community that confronts one. Each community has also a number of indicator species which will give a clue to the type of community under investigation, even if the dominant species is absent. The presence of the Lentisc, Pistacia lentiscus , for example, immediately identifies the Mediterranean evergreen complex of plant communities.

Willkomm [2]  estimou em 1896 que existem 5660 espécies de plantas angiospérmicas, gimnospermas e fetos (cormófitas) na Península Ibérica e que 1465 destas espécies seriam exclusivas (endémicas) da Península Ibérica. Estes números devem ser hoje modificados um bocado, sobretudo na luz da recente e mais detalhada exploração de África do Norte e também devido a um melhor entendimento do estatuto da espécie (a estimativa hoje ronda entre 7000 e 8000 espécies para a Península Ibérica e Ilhas Baleares e entre 1800-1900 espécies endémicas - baseado nos registos da Flora Iberica e Flora Europaea). Segundo um estudo efectuado em 2000 por Domínguez Lozano, F. et. al. [3]  sobre as espécies endémicas da Península Ibérica, uma grande percentagem destas espécies, sobretudo nas províncias de Andaluzia e Múrcia - onde se encontra também o maior número de espécies endémicas na Península Ibérica, está em risco elevado de extinção.

Estes números de Willkomm  e o estudo de Domínguez Lozano, et. al. (2000) demonstram bem a riqueza e o interesse que esta flora única da Península Ibérica tem. Na Europa apenas os países Balcãs podem igualar estes número de espécies. Turrill [4]  estimou após uma análise exaustiva da flora dos Balcãs que existem 6530 espécies de cormófitas - e destes 1754 endémicas, nos Balcãs. As extremidades sul-oeste e sul-este do continente europeu são então de longe as regiões mais ricas em espécies de plantas da Europa [5] .

Existem muitas razões para uma tal diversidade e riqueza na flora ibérica. Em primeira  instância é a ausência de uma camada permanente de gelo no sul-oeste durante a última era glacial que tive por resultado a sobrevivência de um grande número de espécies antigas do período Terciário  e que foram extintas no resto da Europa. Muitas das ‘antigas’ e mais distintas espécies endémicas pertencem a esta categoria. Em segundo  lugar, a proximidade de uma rica flora norte africana  que ajudou aumentar o número de espécies. Embora o Estreito de Gibraltar deve estar aberto há cerca de 10 milhões de anos, ele não actuou como uma barreira completa para uma migração para norte das espécies e muitas delas penetraram para as regiões mais quentes do sul da Península Ibérica a partir da África do Norte. Em terceiro  lugar, é o isolamento geográfico relativamente grande  da Península Ibérica que resultou numa separação reprodutiva das suas próprias espécies das unidades reprodutoras adjacentes - com o resultado que cruzamentos de populações foram reduzidos e evolução gradual de espécies ocorreu e continua de ocorrer.

Este facto é responsável para a existência de uma grande parte das espécies endémicas  da Península Ibérica e sobretudo aquelas que são relativamente ‘recentes’ e que ainda podem ter espécies estreitamente aparentadas em países vizinhas. A quarta  razão é o clima com condições muito variadas  na Península Ibérica. Este clima ajudou de criar ‘ nichos ’ onde plantas com tolerâncias diferentes podem sobreviver: Em especial as regiões únicas de estepes e as cordilheiras isoladas de montanhas com climas diferentes de qualquer outra parte da Europa.

Na Península Ibérica existem hoje uma série de géneros que com toda probabilidade estão numa fase activa de evolução. Eles produzem uma proporção elevada de espécies novas que são capazes de sobreviver na grande variedade de habitats e de climas que a Península Ibérica oferece. Os mais notáveis são: o género Centaurea  com 90 espécies - incluindo cerca de 50 espécies endémicas; Linaria   com 52 espécies incluindo 36 espécies endémicas; Genista   com 33 espécies incluindo 22 espécies endémicas; Cytisus  com 15 espécies incluindo 9 espécies endémicas; Ononis  com 41 espécies incluindo 17 espécies endémicas; Armeria  com 30 espécies incluindo 23 espécies endémicas; Teucrium  com 35 espécies incluindo 20 espécies endémicas; Narcissus  com 45 espécies incluindo 22 espécies endémicas. No entanto, devia ser salientado que o número exacto de espécies depende da interpretação que o botânico usa para a definição da espécie e que não todas as espécies endémicas são de uma evolução recente.

Distribuição de plantas de diversos elementos florísticos na Península Ibérica (from “Polunin & Smythies”, 1973)

Distribuição de plantas de diversos elementos florísticos na Península Ibérica (from “Polunin & Smythies”, 1973)

Os elementos principais da nossa área podem ser resumidos da seguinte forma:

O elemento do Mediterrâneo Ocidental contêm cerca de 2350 espécies nenhuma delas ocorrendo mais para este do que para as Cevenas. Estas espécies incluem não apenas as 1465 espécies endémicas da Ibéria, mas também 480 espécies com distribuição norte africana-ibérica . É este elemento que é tão importante para Ibéria porque é responsável para dois quintos do número total e atribui à flora um carácter muito distinto e diferente de qualquer outra parte da Europa. O elemento Circum-Mediterráneo abrange outro quinto do total de espécies; são plantas que abrangem toda região mediterrânica. Muitas destas espécies penetram para as zonas áridas do interior da península e para dentro da Meseta, e atribuem um aspecto mediterrânico a estas zonas. Portugal  também possui uma percentagem alta de espécies mediterrânicas, apesar da sua localização atlântica. Nas regiões costeiras e florestas perenes do Sul e Centro de Portugal a proporção de espécies mediterrânicas pode estar entre 50 e 60% enquanto o elemento atlântico pode aí pode ser tão baixo como 12%.

Os elementos Central Europeus  e Alpinos  constituem os restantes dois quintos da flora ibérica. Existem 1630 espécies com uma vasta distribuição na Europa que ocorrem na Península Ibérica predominantemente nas regiões pluviosas e nas regiões alpinas e sub-alpinas. Muitas destas espécies não penetram mais até ao oeste de Portugal  e esta é uma das razões porque a flora de Portugal é relativamente pobre em espécies e contém um total de menos do que 3000 espécies. Incluído nesta categoria dos elementos centrais europeus e alpinos são também as cerca de 180 espécies endémicas dos Pirenéus.

Outros elementos menos importantes, mas de igual interesse florístico incluem os do Atlântico Ocidental (Lusitania)  que ocupa a costa atlántica de Europa Ocidental e de ilhas adjacentes.

Inclui muitas espécies com géneros como Erica , Ulex , Genista , Halimium  e também Corema , Drosophyllum , Daboecia  e Lygos .

O elemento de África do Norte-Ibéria também é de grande interesso. Consiste em cerca de 480 espécies que têm a sua distribuição principal na África do Norte, mas que propagam-se para as regiões áridas do sul e sul-este da Espanha e para as montanhas do Sul.

Um dos elementos mais pequenos com cerca de 48 espécies é o das estepes da Espanha. Não ocorrem em outros sítios na Europa, nem na África do Norte, e as espécies mais aparentadas encontram-se apenas nas estepes da Ásia Menor e da Ásia Central.

 Distribuição de plantas usado pelo homem na Península Ibérica (from “Polunin & Smythies”, 1973)

A estas categorias naturais de plantas tem de ser adicionada mais uma categoria - aquela de plantas que foram introduzidas pelo homem em tempo histórico e antes. Existem muitos exemplos como vinha e oliveira do Médio Oriente, citrinos do Extremo Oriente, Eucalyptus  e espécies de Acacia  da Austrália, e muitas espécies sub-tropicais que conseguem todas crescer e frutificar e muitas vezes ficam naturalizadas nos climas quentes do Sul da Ibéria.

Outros exemplos são ervas daninhas como Oxalis pes-caprae  e o chorão ( Carpobrotus edulis ) da África do Sul que ficaram naturalizadas e são agora bem integradas na parte contemporânea da flora, ou tornaram-se até plantas invasoras como o chorão que compete nas dunas litorais do atlântico e mediterrânico com as plantas nativas.

Em vez de estudar plantas individualmente é mais fértil estudar as comunidades de plantas que existem porque estas determinam em grande parte o carácter da paisagem. Cada comunidade de plantas tem a sua própria assembleia de espécies característica e mesmo um pouco experiente amador de plantas sabe que algumas espécies, frequentemente as menos comuns se encontram apenas numa certa comunidade e que é infrutífero procura-las em outros lugares. A Escola Central Europeia de fitossociólogos  (Escola Zurique-Montpellier (ou de Braun-Blanquet ) tem desenvolvido durante o último meio século uma nomenclatura para para as principais comunidades de plantas encontradas na Europa. Dr. Salvador Rivas Goday [6]  foi um dos principais cientistas espanhóis nesta área que descreveu muitos diferentes tipos de florestas, matos e comunidades de estepes da península, cada com as suas componentes florísticas distintivos e características. A lista sintaxonomica das plantas vasculares da Espanha   actualmente em uso foi publicado por Dr. Salvador Rivaz-Martinez  et. al. [7] . Como este sistema sintaxonómico é uma classificação complexa, uma bastante simplificada análise dos principais tipos de vegetação encontrados na nossa área será apresentada aqui:

Comunidades de plantas mediterrânicas perenes

1. Florestas das planícies e das colinas.  Florestas de carvalhos perenes e de pinheiros.

2. Comunidades de matos.  Matorral e pseudo-estepes.

3. Florestas sub-montanas.  Florestas semi-caducifólias e caducifólias.

Comunidades Central Europeus e Atlânticos de plantas caducifólias

4. Florestas caducifólias.  Florestas de Quercus  e de Castanea.

5. Charnecas e prados .

Comunidades de plantas montanas,  sub-alpinas e alpinas

6. Florestas montanas.  Florestas de Fagus , Pinus e Abies.

7. Comunidades sub-alpinas.  Prados, pastos e arbustivos..

8. Comunidades alpinas .

Comunidades marítimas e halófilos

9. Dunas, areias e pântanos.

10. Estepes

Comunidades de água doce e zonas húmidas

Cada destas comunidades de plantas possui uma ou mais de espécies dominantes que permite facilmente identificar a comunidade que domina e que influencia profundamente todas as outras espécies da comunidade na contribuição de criar micro-climas em que as espécies associadas conseguem sobreviver. Uma vez que a espécie dominante de uma comunidade é conhecida, não é geralmente difícil identificar o tipo de comunidade que tem em frente.

Cada comunidade tem também uma série de espécies indicadoras  que indicam qual o tipo de comunidade sob investigação, mesmo se a espécie dominante for ausente. A presença de lentisco, Pistacia lentiscus , por exemplo, imediatamente identifica o complexo das comunidades mediterrânicas perenes.

Arbusto de lentisco ( Pistacia lentiscus )

Flores e folhas do lentisco ( Pistacia lentiscus )

Veja à seguir: 1.2.4a Vegetação - 1. Florestas das planícias e das colinas

Home (Index)


[1]  WILLKOMM,  M.  (1896)  -   Grundzuege  der  Pflanzenverbreitung  auf  der  iberischen  Halbinsel .   In  Sammlung  von  Engler,  A.  und  Drud,  O.:   Die  Vegetation  der  Erde . Engelmann. Leipzig.

[4]  William Bertram Turrill. The Plant-Life of the Balkan Peninsula. A phytogeographical study. (1929)

[5]  Pignatti, S. indica na Flora d’Itália  (publicado entre 1975 e 1978) 5599 espécies de plantas para Itália.

[6]  Rivas Goday, S. ‘Los grados de vegetación de la Péninsula Ibérica’, Anal. Inst. Bot. Cavanilles , 13, 1955.

Sem comentários:

Submitir informação sobre uma espécie de plantas

Arquivo do blogue

Seguidores