A Associação "Trilhos d'Esplendor" com sede na Praia de Quiaios, Figueira da Foz, pretende fazer em caminhadas guiadas uma descrição fotográfica da Flora da Serra da Boa Viagem e das Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas. Também mostramos o uso fito-terapêutico desta Flora cujo valor na medicina tradicional é bem conhecido na população local. São todos convidados para descobrir a beleza florística desta terra. Visitem uma das regiões mais importantes de biodiversidade de Portugal!

Download of PDFs (2 Volumes - Eds. 2014):

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. I - Introdução - 371 pp.) (->Download)

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. II - Portugal - 1559 pp.) (-> Download)

(contains Web links to Flora-On for observed plant species, Web links to high resolution Google satellite-maps (JPG) of plant-hunting regions from the Iberian peninsula; illustrated text in Portuguese language)


Pesquisar neste blogue

Flora da Serra da Boa Viagem - Folha de Cálculo - > 500 Taxa - > 5000 Fotografias, Scans e Chaves

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited - última compilação

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited (Volume I - Portugal) Download PDFs (>300MB)

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Flowers of South-West Europe revisited - 2.1.3.3 - Algarve

“Flowers of South-West Europe - a field guide” - de Oleg Polunin e B.E. Smythies


“Revisitas” de regiões  esquecidas no tempo - “Plant Hunting Regions” - a partir de uma obra de grande valor para o especialista e amador de botânica como da Natureza em geral.



Por
Horst Engels, Cecilia Sousa, Luísa Diniz, Nicole Engels, José Saraiva; Victor Rito
da
Associação “Trilhos d’Esplendor”







2.1 O Algarve

       




2.1.3.3 Serra do Caldeirão


Serra do Caldeirão







Polunin & Smythies escrevem  (p. 46-47):


The original vegetation of the Serra do Caldeirão consisted of oaks and cistus undergrowth but much of it has disappeared. Some cork oaks remain, but the general impression is of bare rounded hills, mostly cultivated or fallow, with occasional trees or bushes. Here and there remnants of the cistus scrub persist, dominated by C. ladanifer, with C. monspeliensis and a little C. populifolius at the higher elevations. The commonest heathers are *Erica australis,  E. lusitanica,  E. scoparia, while the graceful pagoda-like inflorescences of *Genista hirsuta are commonly seen throughout the hills, often associated with G. triacantnos, which is easily distinguished by the deeper and more orange tint of its very numerous small flowers, and by its inflorescence which ends in a leafy tassel. Both are extremely prickly. Other conspicuous shrubs are: *Lavandula stoechas. *L. viridis with small white flowers set in a pale green head, with a pale green top-knot, *Chamaespartium tridentatum, and Ulex argenteus. The most richly wooded part of the Serra is along the road north from Sao Braz do Alportel, but this gives a misleading impression of the area as a whole.


A Serra do Caldeirão ou Mu marca a fronteira entre o Litoral e o Barrocal algarvios e as peneplanícies do Baixo Alentejo. Faz parte do maciço antigo e é constituída por xisto-grauvaque, rocha que origina solos finos e pouco férteis. O seu ponto mais alto localiza-se no Algarve (Pelados 589 m - Cavalos do Caldeirão - Loulé), sendo o Mú (São Barnabé - Almodôvar) o 2º ponto mais alto com 577 m. Nos concelhos de Tavira (Alcaria do Cume 535 m), São Brás de Alportel (Menta 515 m; Quatrelas 521 m; Águia 529 m) e de Loulé possui diversos pontos em que ultrapassa os 500 m.


Apesar da sua modesta altitude, forma uma paisagem muito peculiar, onde elevações arrendondadas, os cerros, são cortadas por uma densa rede hidrográfica, constituída na sua maior parte por cursos de água temporários. O relevo é por este motivo bastante acidentado em diversos pontos.


A Serra do Caldeirão tem influência climática considerável. Constitui uma barreira física à passagem dos ventos frios do quadrante Norte e às depressões de Noroeste, contribuindo para a existência de um clima mediterrânico no litoral algarvio, com fracas precipitações anuais e temperaturas suaves no Inverno. Por outro lado, é também uma barreira de condensação para os ventos húmidos do quadrante Sul.



Áreas protegidas


Existe a área protegida no âmbito do Plano Sectorial da Rede Natura 2000 , o “Sítio do Caldeirão PTCON0057” com uma extensão de ca de 48.000 ha:




Este Sítio é marcado pela presença da serra do Caldeirão, um extenso relevo xistograuváquico de formas arredondadas, resultante da deformação do Maciço Hespérico, entrecortado por pequenos rios e ribeiras em vales moderadamente encaixados. Grande parte do Sítio é coberta por extensos montados de sobro (Quercus suber) (6310), relativamente abertos, os quais, em muitos locais, devido ao abandono agro-pastoril, evoluíram para formações mais densas, com um subcoberto desenvolvido. Nas zonas de montado ainda sujeitas ao cultivo extensivo de cereais, os pousios possibilitam a ocorrência de arrelvados xerófilos (6220*). Contudo, a maior parte da actividade agrícola concentra-se junto aos montes e pequenos aglomerados urbanos, sendo principalmente de subsistência.


Vegetação (extrato de Wikipédia)


A vegetação natural da serra do Caldeirão é influenciada pelas variações climáticas. Nas zonas mais ocidentais da serra, predomina o sobreiro (Quercus suber), associado ao carvalho-cerquinho (Quercus faginea) e ao medronheiro (Arbutus unedo). Nas vertentes próximas do vale do Guadiana, predomina a azinheira (Quercus ilex ou Q. rotundifolia), associada ao sobreiro (que nestas regiões surge nas vertentes úmbrias próximas dos barrancos ou linhas de água), à aroeira (Schinus molle) e à palmeira-anã (Chamaerops humilis).
Ao longo dos séculos, o homem alterou esta paisagem, destruindo as florestas naturais para criar terrenos agrícolas e pastagens para o gado, do que resultou a paisagem actual, quase sem vegetação, onde predominam as estevas (arbustos do género Cistus), adaptadas aos solos entretanto destruídos pela erosão. A principal causa da erosão foram, na primeira metade do século XX, as campanhas do trigo e, com carácter recorrente, os incêndios: a destruição da vegetação natural sujeita os solos às chuvas torrenciais, que os arrastam, deixando exposta apenas a rocha nua; este processo é acelerado pela típica inclinação dos solos das serras, motivo pelo qual a desertificação natural é muito preocupante, nomeadamente nas vertentes mais orientais.
Os principais cursos de água são ladeados por galerias rípicolas, onde predomina o freixo (Fraxinus excelsior), associado a outras espécies menos frequentes, como o amieiro (Alnus glutinosa). Nos cursos de água mais pequenos, predomina (precisa de confirmação e de dados quantitativos!) a adelfeira (Rhododendron ponticum).



A flora da Serra da Calderão é representada na Flora-On com mais do que 240 espécies de plantas vasculares:





Fauna (extrato de Wikipédia)


Existe uma fauna diversificada na Serra da Caldeirão. Ela é conhecida sobretudo pelos ornitólogos. No entanto, também neste regão nota-se um empobrecimiento da biodiversidade :


Eram as seguintes as espécies mais notáveis da fauna tradicional:
Mamíferos: lontra (Lutra lutra), lobo-ibérico (Canis lupus signatus), lince-ibérico (Lynx pardina), veado (Cervus elaphus), javali (Sus scrofa), coelho (Orictolagus cuniculus), lebre (Lepus capensis), gineta (Genetta genetta);
Aves: águia-de-bonelli (Hieraaetus fasciatus), águia-imperial-ibérica (Aquila heliaca adalberti), cegonha-preta (Ciconia nigra), abetarda (Otis tarda), bufo-real (Bubo bubo);
Batráquios: sapo-parteiro-ibérico (Alytes cisternasii);
Peixes: saramugo (Anaecypris-hispanica).


O lobo-ibérico desapareceu em meados do século XX, bem como a águia-imperial-ibérica. O lince-ibérico pensa-se que desapareceu nos finais do século passado. Quanto à cegonha-negra, nidificava nas fragas da Foupana e do Vascão, mas de momento já não o faz. A abetarda surgia nas estepes planálticas do Nordeste, e a águia-de-bonelli nidifica de momento em alguns pontos da serra, como no norte do concelho de São Brás de Alportel, junto da Ribeira de Odeleite.


A Serra de Caldeirão é uma Zona especial de protecção para Aves (ZPE) (PTCON0057). Guias de Aves para o Algarve que incluem esta região são “Observar Aves no Concelho de Loulé. Roteiro Ornitológico e “birdwatching guide to the algarve: Páginas Web onde pode ter mais informação sobre esta região encontram-se por exemplo no sites: -> Aves de Portugal e Birdlife.



Acção humana (extrato de Wikipédia)


As culturas agrícolas predominantes na serra do Caldeirão são as de sequeiro – amendoeira, alfarrobeira e oliveira –, surgindo a cultura de árvores de fruto como a laranjeira e a nespereira próximo dos vales de alguns cursos de água. São ainda cultivados tremoços, grão-de-bico, trigo, aveia, cevada e centeio.
O gado predominante é o caprino. Segundo registos antigos, a raça de vaca algarvia já foi frequente na região, mas neste momento está praticamente extinta.
O povoamento remonta ao Neolítico, como testemunha a grande quantidade de vestígios pré-históricos. Existem diversas antas, tholos e restos de povoações, como a Anta da Mealha, próxima de Cachopo (concelho de Tavira) ou o castelo de Santa Justa (concelho de Alcoutim).
Houve uma intensa exploração mineira nesta serra desde o Neolítico, existindo vestígios de minas em bom estado no concelho de Alcoutim.
Os árabes exerceram grande influência na serra do Caldeirão. Introduziram a amendoeira e a laranjeira e estão na origem do actual tipo de povoamento, constituído por aldeias dispersas de pequenas dimensões – os montes –, com toponímias curiosas, normalmente baseadas em características físicas locais: Alcaria, Azinhal, Cabeça Gorda, Cumeada, Barranco do Velho, Ameixial. A memória da presença árabe permanece ainda a nível arquitectónico, de que são exemplos o castelo velho de Alcoutim ou o povoamento do Cerro das Relíquias, e a nível cultural (regionalismos, contos e lendas envolvendo mouras e mouros encantados).
A população da serra do Caldeirão viveu isolada durante séculos. Raramente ia ao litoral, e ainda hoje os serrenhos (designação pela qual são tratados os habitantes das serras algarvias) chamam «Algarve» às zonas baixas do litoral e do barrocal algarvios. Durante séculos, as notícias de fora eram trazidas pelos almocreves, juntamente com os produtos do litoral, como peixe e sal. Ainda na actualidade existem muitas marcas do modo de vida antigo, como azenhas, levadas, açudes, moinhos de ventos ou fornos. As casas típicas da serra do Caldeirão são feitas de pedra e caiadas de branco, com telhado de cana, normalmente de uma só água. As diversas funções dividem-se frequentemente por edifícios separados, não raro com uma única porta em cada um deles. Por vezes não se caiam os fornos e os palheiros.


Aqui ainda umas impressões fotográficas da Serra do Caldeirão que mostram também o terrível impacto que grandes incêndios deixaram sobre esta serra em 2012:


DSCN0240.JPG


DSCN0249.JPG


DSCN0244.JPG


DSCN0256.JPG


DSCN0251.JPG
Um maravilhoso almoço com tomates, sumo de limão e salada de batata em casa de Francisco em Barranco do Velho

DSCN0253.JPG


DSCN0264.JPG


DSCN0324.JPG
Abelharucos - Merops apiaster

DSCN0285.JPG


DSCN0307.JPG


DSCN0320.JPG


DSCN0322.JPG



:






Algarve (from Polunin & Smythies 1987)
Algarve (from Polunin & Smythies 1987)





Veja à seguir: O Alentejo








Sem comentários:

Submitir informação sobre uma espécie de plantas

Seguidores