A Associação "Trilhos d'Esplendor" com sede na Praia de Quiaios, Figueira da Foz, pretende fazer em caminhadas guiadas uma descrição fotográfica da Flora da Serra da Boa Viagem e das Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas. Também mostramos o uso fito-terapêutico desta Flora cujo valor na medicina tradicional é bem conhecido na população local. São todos convidados para descobrir a beleza florística desta terra. Visitem uma das regiões mais importantes de biodiversidade de Portugal!

Download of PDFs (2 Volumes - Eds. 2014):

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. I - Introdução - 371 pp.) (->Download)

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. II - Portugal - 1559 pp.) (-> Download)

(contains Web links to Flora-On for observed plant species, Web links to high resolution Google satellite-maps (JPG) of plant-hunting regions from the Iberian peninsula; illustrated text in Portuguese language)


Pesquisar neste blogue

Flora da Serra da Boa Viagem - Folha de Cálculo - > 500 Taxa - > 5000 Fotografias, Scans e Chaves

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited - última compilação

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited (Volume I - Portugal) Download PDFs (>300MB)

sábado, 15 de dezembro de 2012

Flowers of South-West Europe revisited - 2.1.1.1 - Algarve

“Flowers of South-West Europe - a field guide” - de Oleg Polunin e B.E. Smythies
“Revisitas” de regiões  esquecidas no tempo - “Plant Hunting Regions” - a partir de uma obra de grande valor para o especialista e amador de botânica como da Natureza em geral.
Por
Horst Engels, Cecilia Sousa, Luísa Diniz, Nicole Engels, José Saraiva; Victor Rito
da
Associação “Trilhos d’Esplendor”

2.1 O Algarve

                


                2.1.1.1.1 Costa Vicentina
2.1.3.2 Malhão
2.1.3.3 Caldeirão

2.1.1.1 Barlavento (Ocidental) e Costa Vicentina do Alentejo
Polunin & Smythies  escrevem:
The barlavento  begins a little to the east of Portimão and extends to the west coast. West of Lagos the hilly coastal strip becomes increasingly less fertile , the population decreases, and the traveller arrives at the dramatic arid wind-swept headlands of Sagres and Cape St Vincent. They are composed of hard calcareous dolomitic rocks, weathered and battered by the elements into a karst-Iike plateau which ends abruptly in overhanging cliffs 80 m high, with the blue sea below. Although heavily grazed by cattle and sheep, most of this headland is relatively undisturbed by man and there is a most interesting and distinctive flora. The dominant plant is * Cistus palhinhae † which forms a low compact spreading bush of semi-prostrate habit, growing gregariously, with extremely shiny sticky leaves, and with pure white flowers the size of * Cistus ladanifer , to which it is closely related. The other common cistus species here are * C. salvifolius and * C. albidus , and the smaller white-flowered ** C. monspeliensis  and pink * C. crispus , and associated with them many of the common matorral species such as:
In April the Sea Pink * Armeria pungens † is a fine sight, the vegetable hedgehog * Astragalus massiiliensies † is starting to open its white flowers, and so also is the shrubby Calendula suffruticosa  with its orange flowers. * Antirrhinum majus  subsp. linkianum  has developed the curious habit of pushing its way up through bushes and supporting itself by twining petioles and young shoots around twigs. A dwarf form of * Cerinthe major  subsp. gymnandra  with bristly leaves and pale whitish flowers, with yellow and red markings at the base of the corolla, occurs here and there. Other plants of special interest include: * Biscutella vincentina †, distinguished like all members of the genus by the paired disks of the fruit, * Viola arborescens †, partial to calcareous soil on rocky headlands (it also grows near Cape Trafalgar), * Linaria algarviana,   Teucrium polium subsp. dunense †, and Scilla vincentina † with paired bracts below each flower. The rare Ionopsidium acaule † forms its little circular mats here and there and flowers in February or even January, and a few plants of * Bellevalia hackeli  it may be seen on the Sagres promontory. On more sheltered ground the brilliant blue of * Anagallis monelli  contrasts with the tiny white flowers of the sweet-scented * Lobularia maritima ; two docks with showy purple inflorescences are Rumex intermedius  and R. papillaris . * Nepeta tuberosa  is spectacular by the road. A similar flora, less exposed and dwarfed, can be seen under the protection of Pinus pinea  on giant sand dunes on the west coast, off the Lisbon road about 2 km west of Bordeira, and on the headland of Pontal .
O ‘ barlavento ’ (windward) começa ligeiramente à leste de Portimão  e extende-se até a costa oeste do Atlântico. Por oeste de Lagos  a faixa de colinas costeiras torna-se cada vez menos fértil e menos povoada, e o viajante chega aos promontórios ventosos e dramaticamente áridos de Sagres  e Cabo de São Vicente .
Ponta de Sagres
Estes promontórios são compostos de rochas calcáreas duras dolomíticas, desgastadas e batidas pelo tempo numa plataforma de aparância cárstica que termina abruptamente em falésias suspensas e verticais de 80m de altitude, com o mar azul ao fundo. Embora, com pastoreio intenso por gado e ovelhas, a maior parte do promontório de Sagres  e Cabo de São Vicente   (desde 1988 Paisagem protegida   e desde 1995 Parque Natural )   encontra-se relativamente pouco perturbado pelo homem e é por aí que se encontra uma flora muito distinta e interessante (veja Flora vicentina ).
A planta dominante é Cistus palhinhae  formando um arbusto baixo e compacto agregado em grupos; com folhas de um brilho intenso e flores puramente brancas do tamanho de Cistus ladanifer  com que é estreitamente aparentada.  As outras espécies comuns de cistáceas são Cistus salvifolius  e Cistus albidus , Cistus monspeliensis  com flores brancas mais pequenas e Cistus crispus  com flores cor de rosa.
Cistus palhinhae  ao pé do Cabo de São Vicente [1]
Cistus palhinhae
Associadas com as espécies de Cistus  encontram-se espécies comuns do matorral como:


Arbustos
Herbáceas
Juniperus phoenicea
Anemone palmata
Dorycnium hirsutum
Silene colorata
Pistacia lentiscus
Iberis procumbens
Malva hispanica
Onobrychis peduncularis
Daphne gnidium
Lithospermum apulum
Halimium commutatum
Salvia verbenaca
Helianthemum origanifolium
Campanula lusitanica
Corema album
Campanula rapunculus ssp.  verruculosa
Lithospermum diffusum ssp. lusitanica
Calendula suffruticosa
Lavandula stoechas
Asteriscus maritimus
Rosmarinus officinalis
Dipsaci serotinum
Thymus camphoratus
Narcissus obesus
Em Abril o crave-das-areias Armeria pungens é uma boa atração, a alquitira do Algarve, Astragalus massiliensis começa a abrir as suas flores brancas, como também a arbustiva Calendula sufruticosa  com as suas flores cor de laranja.
Astragalus massiliensis [2]
Antirrhinum majus  ssp. linkianum  tem desenvolvido o seu hábito curioso de crescer no meio de arbustos e de assegurar-se perante os seus rebentos e petíolos jovens que serpenteiam à volta de ramos. Uma forma anã da Flor de cera   Cerinthe major  ssp. gymnandra  com folhas eriçadas e flores brancas pálidas, com rebordo amarelo e manchas violáceas e amarelas na base da corolla, ocorre aqui e acola.
Cerinthe major  ssp. gymnandra   [3]
Noutras plantas de interesse especial incluem-se Biscutella vincentina , distinguida como todos os membros do género pelos frutos (discos em pares),
Biscutella vincentina [4]
Viola arborescens , em solos calcários de promontórios rochosos (também ocorre perto de Trafalgar),
Viola arborescens [5]
Linaria algarviana ,
Linaria algarviana [6]
Teucrium polium  ssp. dunense  
Teucrium dunense [7]
e Hyacinthoides ( Scilla) vicentina  com pares de brácteas na base de cada flor.
Hyacinthoides vicentina [8]
A rara Cocleária-menor   Jonopsidium acaule [9]  forma as suas tapetes circulares aqui e acolá e está em floração em Fevereiro ou até Janeiro, e uns poucos exemplares do Jacinto-azul-do-Algarve Bellevalia hackelii podem ser encontradas no promontório de Sagres. Em terras mais abrigadas pode ser observada o azul brillante de Anagallis monelli em contraste às flores minúsculas brancas com cheiro doce de Lobularia maritima ; 2 espeécies com inflorescências roxas são Rumex intermedius  e Rumex papillaris ; Nepeta tuberosa é espectacular ao longo do percurso.
Jonopsidium acaule [10]
Bellevalia hackelii [11]
Nepeta tuberosa
Também Willkomm [12]   já descreveu a Flora do Cabo de São Vicente em 1896 e deliniou o interesse especial que esta flora tem devido às espécies endémicas que aí se encontram (p. 292):
“Ein in floristischer Beziehung besonders interessanter Punkt ist das hügelige Felsplateau des Cabo de S. Vicente, indem hier eine Anzahl peninsularer (meist endemischer) Arten ihre westliche oder südliche Grenze in Europa oder überhaupt finden, andere nur oder vorzugsweise hier vorkommen, nämlich: Macrochloa   tenacissima  (L.) Kth., Juncus   valvatus  Lk. ( J.   echinuloides  Brot.), Scilla mauritanica  Schousb. ( S. vincentina Hffgg. Lk., einziger bekannter Standort in Europa!), Teucrium vincentinum Rouy, Lithospermum *prostratum  Lois., Linaria amethystea  Hffgg. Lk. und Linaria satureioides  Boiss., Helichryson serotinum  Boiss., Centaurea polyacantha Boiss. und (L) Centaurea vincentina  Welw. (nur an einigen Punkten der Küstenzone Alemtejo's und am Cap St. Vincent), Cynara  (L) algarbiensis  Coss., Onobrychis eriophora  Desv., Astragalus  ** massiliensis  Lam. (A. Poterium Brot., in Portugal nur hier und am Cabo de Sines), Euphorbia baetica  Boiss., Cistus hirsutus  Lamk., Helianthemum origanifolium  P. (einziger Standort in Portugal!), Iberis pectinata  Boiss., Astrocarpus  ** Clusii J. Gay, Diplotaxis   virgata DC.
Werner Rothmaler  fez em 1943 um estudo fitossociológico do Cabo São Vicente no seu trabalho de habilitação: Promontorium Sacrum,  Vegetationsstudien in südwestlichen  Portugal. [13]
Biogeograficamente o Cabo de São Vicente  é caracterizado como o Superdistrito Promontório Vicentino , constituindo em conjunto com o Superdistrito Costeiro Vicentino e o Superdistrito Algárvico  o Sector Algarviense , caracterizados fitosociologicamente por Costa et. al. [14]  em “ Biogeografia de Portugal ”. A área do Cabo São Vicente liga assim os Superdistritos Costeiro Vicentino  e Algárvico  pelos elementos florísticos em terrenos calcáricos que se encontram em algumas partes do Baixo Alentejo (por exemplo na zona da Praia da Carrapateira) e sobretudo no Barrocal do Algarve:
O Sector Algarviense é um território litoral, de baixa altitude, termomediterrânico seco a sub-húmido, que se situa desde Melides fazendo fronteira pelas Serras de Grândola, Cercal, Espinhaço de Cão, calcários do Barrocal algarvio até à Flecha del Rompido em Espanha. Tem como táxones endémicos Biscutella vincentina, Cistus ladanifer subsp. striatus (= Cistus palhinhae Ingram), Dittrichia viscosa subsp. revoluta, Genista hirsuta subsp. algarbiensis, Iberis sampaioana, Thymus camphoratus e Stauracanthus spectabilis subsp. vicentinus. A boca-de-cava-terra (Uca tangeri) é um caranguejo endémico deste Sector que pode ser observado nos sapais entre a foz do rio Mira e Ponta Umbria. Por outro lado Aristolochia baetica, Armeria pungens, Asparagus albus, Asperula hirsuta, Chamaerops humilis, Erica umbellata var. major, Fumana laevipes, Helianthemum origanifolium, Linaria munbyana, Limonium algarvense, Limonium lanceolatum, Prasium majus, Salsola vermiculata, Stauracanthus boivinii, Teucrium pseudochamaedris, Teucrium vicentinum são algumas plantas que caracterizam a área no contexto da Província. Stipo giganteo-Stauracanthetum vicentini, Limonietum ferulacei e Dittrichietum revolutae são comunidades endémicas do Sector. Ocorrem também nesta área Oleo-Quercetum suberis, Myrto-Quercetum suberis, Smilaco mauritanicae-Quercetum rotundifoliae, Osyrio quadripartitae-Juniperetum turbinatae, Querco cocciferae-Juniperetum turbinatae, Rubio longifoliae-Coremetum albi, Loto cretici-Ammophiletum australis, Artemisio crithmifoliae-Armerietum pungentis, Salsolo vermiculatae-Lycietum intricatae bem como todas as comunidades dos salgados citadas para esta Província corológica.

O Superdistrito Costeiro Vicentino é um território silicioso, constituído por areias (charnecas) e xistos, com a excepção da Carrapteira que é calcícola, situado entre Melides e os calcários da Península de Sagres. Uma grande área de dunas consolidadas e dunas fósseis sobre xistos situa-se nesta unidade. É rica em endemismos: Avenula hackelii, Centaurea vicentina, Chaenorrhinum serpylifolium subsp. lusitanicum, Herniaria algarvica, Linaria algarviana, Malcolmia littorea var. alyssoides, Plantago almogravensis, Serratula monardii subsp. algarbiensis e Scrozonera transtagana. O Stauracanthus spectabilis subsp. spectabilis na Europa tem neste Superdistrito a única área onde pode ser observado. Thymus camphoratus, Linaria ficalhoana, Iberis contracta subsp. welwitschii, Herniaria maritima, Hyacintoides vicentina subsp. transtagana, Centaurea crocata, Cistus ladanifer subsp. striatus, Limonium lanceolatum, Stauracanthus spectabilis subsp. vicentinus, Littorella uniflora são outros táxones diferenciais deste território. O Thymo camphorati-Stauracanthetum spectabilis, Genisto triacanthi-Stauracanthetum vicentini e Genisto triacanthi-Cistetum palhinhae são comunidades que só se assinalam neste Superdistrito, no entanto também contribuem para a sua caracterização: Oleo-Quercetum suberis, Myrto-Quercetum suberis, Querco cocciferae-Juniperetum tubinatae, Osyrio quadripartitae-Juniperetum turbinatae, Rubio longifoliae-Coremetum albi, Querco lusitanici-Stauracanthetum boivinii, Stipo giganteo-Stauracanthetum vicentini, Artemisio crithmifoliae-Armerietum pungentis, Herniario algarvicae-Linarietum ficalhoanae, Dittrichietum revolutae.

O território, que vai desde a Península calcária de Sagres até à Ponta de Almedena, é designado por Superdistrito Promontório Vicentino, é uma área mediterrânica xerofítica hiperoceânica no andar termomediterrânico, seca inferior e semiárida, onde se encontram algumas dunas fósseis. Astragalus tragacantha subsp. vicentinus, Hyacinthoides vicentina subsp. vicentina, Silene rothmaleri e Ulex erinaceus são os táxones endémicos desta unidade biogeográfica, sendo também endémicas as comunidades Ulicetum erinacei e Astragaletum vicentini. O Cistus ladanifer subsp. striatus, Iberis contracta subsp. welwitschii, Viola arborescens, Teucrium vicentinum, Thymus camphoratus, Genista hirsuta subsp. algarbiensis e Calendula suffruticosa subsp. tomentosa são espécies que ajudam também a caracterizar este Superdistrito. No território ocorrem ainda as seguintes associações: Querco cocciferae-Juniperetum turbinatae, Osyrio quadripartitae-Juniperetum turbinatae, Rubio longifoliae-Coremetum albi, Stipo giganteo-Stauracanthetum vicentini, Phlomido purpureae-Cistetum albidi, Artemisio crithmifoliae-Armerietum pungentis, Loto cretici-Ammophiletum australis, Limonietum ferulacei e Salsolo vermiculati-Lycietum intricati.

O Superdistrito Algárvico começa na Ponta de Almedena, inclui os calcários do Barrocal Algarvio e Barlavento e areias do Sotavento até à Flecha del Rompido. Bioclimaticamente a maioria do território encontra-se no andar termomediterrânico e ombroclima seco a sub-húmido, com a excepção duma pequena área costeira entre Albufeira e Lagos em que se situa no andar xérico-oceânico. Bellevalia hackelii, Picris willkommii, Plantago algarbiensis, Scilla odorata, Sidiritis arborescens ssp. lusitanica, Teucrium algarbiense, Thymus lotocephalus, Tuberaria major são as plantas endémicas do Superdistrito. Ocorrem ainda no território Armeria macrophylla, Armeria gaditana, Astragalus sesameus, Ceratonia siliqua, Chamaerops humilis, Cleonia lusitanica, Cistus libanotis, Coridothymus capitatus, Erodium laciniatum, Euphorbia clementei, Frankenia boissieri, Galium concatenatum, Genista hirsuta subsp. algarbiensis, Glossopappus macrotus, Hypecum littorale, Hypecoum procubens, Limonium algarvense, Limonium diffusum, Limonium lanceolatum, Limoniastrum monopetalum, Linaria lamarckii, Linaria munbyana, Pycnocomom rutifolium, Narcissus gaditanus, Narcissus calcicola, Narcissus willkommii, Plumbago europaea, Quercus faginea subsp. broteroi, Retama monosperma, Serratula flavescens, Serratula baetica subsp. lusitanica, Sideritis angustifolia, Sideritis romana, Stauracanthus boivinii, Stauracanthus genistoides, Teucrium haenseleri, Thymus albicans, Thymus carnosus, Tuberaria bupleurifolia, Ulex australis subsp. australis, Ulex argenteus subsp. argenteus, Ulex argenteus subsp. subsericeus. As espécies Cynomorium coccineum e Lycium intricatum encontram-se só na área xérica do território. Em relação à vegetação são consideradas comunidades endémicas: Cistetum libanotis, Tuberario majoris-Stauracanthetum boivini, Thymo lotocephali-Coridothymetum capitati, Pycnocomo rutifoliae-Retametum monospermae, Tolpido barbatae-Tuberarietum bupleurifoliae. São também comuns no território: Smilaco mauritanicae-Quercetum rotundifoliae, Oleo-Quercetum suberis, Querco cocciferae-Junipertum turbinatae, Asparago albi-Rhamnetum oleoidis, Asparago aphylli-Myrtetum communis, Phlomido purpureo-Cistetum albidi, Loto cretici-Ammophiletum australis, Artemisio crithmifoliae-Armerietum pungentis, Ononido variegati-Linarietum pedunculatae, Limonietum ferulacei e Salsolo vermiculati-Lycietum intricati (esta última xérica), bem como todas as comunidades dos salgados que já foram referidas para a Província, e ainda o Polygono equisetiformis-Limoniastretum monopetali.



Biogeografia de Portugal - Superdistritos
A  lista de espécies de plantas vasculares registadas na   FLORA-ON  (quadrícula   UTM NA09 ) do Cabo de São Vicente da costa Vicentina que demonstra toda riqueza florística do Barlevento algarvio.
Flora Cabo São Vicente ( UTM NA09 )
Uma flora parecida com a Flora vicentina  do Cabo de São Vicente,  mas menos exposta e anã, pode ser observada por baixo da proteção de Pinus pinea acima de dunas de areia na costa oeste, quando se sai da Estrada de Lisboa cerca de 2km por oeste de Bordeira, e no promontório de Pontal.
Flora Costa Vicentina   UTM NB01  (Carrapateira)
Birdwatching
O Cabo de São Vicente [15]  e a Costa Vicentina [16]  também são sítios importantes para observação de Aves. Quando as condições meteorológicas são favoráveis, estes são locais privilegiados para a observação de aves [17]  em migração, especialmente no Outono. O Guia “ birdwatching guide to the algarve ” dedica um capítulo (capítulo 7) à Península de Sagres devido à importância que esta área tem para a observação de Aves.
Algarve (from Polunin & Smythies 1987)
Algarve (from Polunin & Smythies 1987)

Veja à seguir: 2.1.1.2 Centro (Littoral)


[12]  WILLKOMM,  M.  (1896)  -   Grundzuege  der  Pflanzenverbreitung  auf  der  iberischen  Halbinsel .   In  Sammlung  von  Engler,  A.  und  Drud,  O.:   Die  Vegetation  der  Erde . Engelmann. Leipzig
[13]  ROTHMALER, W. (1943) - Promontorium Sacrum,  Vegetationsstudien in südwestlichen Portugal. Repert. Spec. Nov. Regni Veg. Beih.   128 .
[14]  COSTA, J.C., AGUIAR, C., CAPELO, J.H., LOUSÃ, M., NETO, C., 1998. Biogeografia de Portugal Continental . Quercetea 0. Lisboa, Portugal, 55pp.

Sem comentários:

Submitir informação sobre uma espécie de plantas

Seguidores