A Associação "Trilhos d'Esplendor" com sede na Praia de Quiaios, Figueira da Foz, pretende fazer em caminhadas guiadas uma descrição fotográfica da Flora da Serra da Boa Viagem e das Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas. Também mostramos o uso fito-terapêutico desta Flora cujo valor na medicina tradicional é bem conhecido na população local. São todos convidados para descobrir a beleza florística desta terra. Visitem uma das regiões mais importantes de biodiversidade de Portugal!

Download of PDFs (2 Volumes - Eds. 2014):

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. I - Introdução - 371 pp.) (->Download)

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. II - Portugal - 1559 pp.) (-> Download)

(contains Web links to Flora-On for observed plant species, Web links to high resolution Google satellite-maps (JPG) of plant-hunting regions from the Iberian peninsula; illustrated text in Portuguese language)


Pesquisar neste blogue

Flora da Serra da Boa Viagem - Folha de Cálculo - > 500 Taxa - > 5000 Fotografias, Scans e Chaves

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited - última compilação

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited (Volume I - Portugal) Download PDFs (>300MB)

sábado, 29 de setembro de 2012

Flowers of South-West Europe revisited (I.2.2b - A Península Ibérica)

“Flowers of South-West Europe - a field guide” - de Oleg Polunin e B.E. Smythies

“Revisitas” de regiões  esquecidas no tempo - “Plant Hunting Regions” - a partir de uma obra de grande valor para o especialista e amador de botânica como da Natureza em geral.

Por

Horst Engels, Cecilia Sousa, Luísa Diniz, Nicole Engels, José Saraiva

da

Associação “Trilhos d’Esplendor”

I .2   Relevo, Geologia, Clima e Vegetação da Península Ibérica

1.2 Relevo, Geologia, Clima e Vegetação da Península Ibérica

1.2.2b Clima e Tempo - a chuva

Polunin & Smythies escrevem (p. 10-12):

Climate and Weather

Three main types of climate occur in our area. A predominantly oceanic climate affects the west and north coasts of the Iberian peninsula, the Atlantic coast and mountains of central France and the north Pyrenees, with a moderate equable temperature and high rainfall - a southern variant of the typically oceanic climate found in north-western Europe. A Mediterranean climate affects not only the Mediterranean coast, but also the Atlantic coasts of southern Portugal and southwestern Spain, with hot dry summers and mild moist winters. A continental type of climate affects the high plateau of the Iberian peninsula, which experiences extremes of temperature both daily and seasonally, and very low and unreliable rainfall.

The Iberian peninsula  is such an extensive land mass that it generates weather systems of its own, giving it a climate unlike that of any other region in Europe. It lies between the warmish moist air streams of the north Atlantic, and the warm dry area of North Africa and the Sahara. It also lies in the path of the Atlantic depressions which during a large part of the year are deflected either to the north or to the south, so that for months at a time the ameliorating effect of this moisture-laden air coming in from the Atlantic makes very little impression on the climate of central Spain. In spring and autumn, however, these depressions can penetrate deeply into the peninsula and produce very different kinds of weather. But in general, the climate of the central plateau is continental in character with hot summers and cold winters, while the peripheral regions have largely an Atlantic or Mediterranean type climate which is more equable and humid. The central plateau heats up rapidly in summer under clear skies and long days of sunshine, causing inblowing winds from the Atlantic and Mediterranean . Because of the heat this incoming moist air soon dries and little or no rain falls in the interior . However, there may be intermittent short and very violent thunderstorms with torrential rain, which may result in disastrous floods in the coastal regions. In the winter, by contrast, freezing air settles on the mesetas and heavy snow falls in the mountains. This air may spill down into the Mediterranean coastal strip causing cold spells sometimes late into the spring with serious results for fruit crops along the coast. Springs are earlier on the Costa del Sol where the Andalusian mountains protect the coast from the cold air in land, but they may be surprisingly late on the Costa Brava because of this cold air-mass.

The complexity of the weather is further increased by the position of the new-fold mountain ranges. The Cantabrian mountains , ranging along the north coast of Spain, successfully catch much of the mois ture from the northern and western winds, while immediately to the south of this range the meseta lies in the rain-shadow and receives a very low rainfall. The Pyrenees likewise act as an almost continuous rain-barrier, so that the Ebro depression, to the south of the Pyrenees, is one of the lowest rainfall areas in Spain; and the Andalusian mountains in the south form a barrier to the south-westerly Atlantic winds. It is on ly on the southern and central Portuguese coast that no high mountains stand in the line of incoming moist air streams, which can there penetrate deeper into the peninsula, making the dividing line between the Atlantic and continental climates approximately along the Portuguese-Spanish border, Only in the extreme north-west of the peninsula can the Atlantic weather hold sway throughout the year.

The Massif Central  has a similarly dominating influence on the French part of our area. These highlands act as a rain-barrier and catch a great deal of the moisture coming in from the Atlantic, while the low-lying plain of Aquitaine allows its passage in land unimpeded. The dividing line between the predominantly Atlantic climate to the north and the Mediterranean climate of south-western France is roughly along a line drawn through the Carcassonne gap and the Cevennes. To the south there is the familiar pattern of warm dry summers and mild winters, with rainfall occurring largely in the winter half of the year .

These are the general summer - winter climatic patterns; but quite different conditions prevail at other times of the year producing very variable weather. In spring and autumn the normal pressure systems are disrupted; there may be long periods of instability. Secondary depressions may occur, particularly in autumn along the south-eastern coast of Spain, and the weather may become cloudy and rainy with sudden cloudbursts of great severity.

Secondary depressions to the north of the peninsula in winter and spring may produce a different type of weather still. Colder air is diverted southwards, producing at first mild weather along the north-eastern coast, followed by cold blustery weather and strong winds - the pargorii of the Basque coast, and the tramontana  of the Catalan coast. In winter secondary depressions are formed in the Bay of Biscay causing gales and heavy rain over the Basque country and the western Pyrenees. A further type of weather is produced by large Atlantic depressions which pass over the north-west of the peninsula bringing mist, drizzle, and fog over much of the coast and at times deep into the meseta in winter. In summer, north Portugal and Galicia continue to be deeply affected by these Atlantic depressions.

A Península Ibérica mostra extrema variação tanto na quantidade de precipitação como na sua variação sazonal. Pluviosidades tão baixas como 300mm, ou metade desta quantidade em alguns anos, ocorrem em partes do planalto central e no sul-este; pode haver secas por um período de mais do que sete meses durante o ano. Saragoça na depressão do rio Ebro tem quatro meses secos no inverno e três meses de seca absoluta no verão (veja no mapa dos meses secos).

Tabela dos climas da Península Ibérica (from “Polunin & Smythies”, 1973)

Los Monegros, região desértica no Aragão, Espanha

Meses secos na Península Ibérica (from “Polunin & Smythies”, 1973)

Em contra-partida, as montanhas da Cordilheira Central e do Maciço Central são extremamente húmidas e têm mais do que 2000mm de precipitação por ano. A pluviosidade mais alta existe na Serra da Estrela em Portugal com 2825mm de precipitação por ano. No inverno muito desta precipitação ocorre em forma de neve com altura média de 1,5m à 2m, e neve encontra-se até ao fim da primavera e início do verão.

Pluviosidade Média na Península Ibérica (from “Polunin & Smythies”, 1973)

Torre - Serra da Estrela, Portugal no Inverno

Neve na Serra da Estrela, Portugal

Neve na Serra da Estrela, Portugal

Pluviosidade tem um efeito grande sobre a distribuição das plantas, mais do que qualquer outro factor ambiental. Em consequência, é conveniente de dividir a nossa área em duas regiões de pluviosidade: chuvoso  e árido . Em geral, áreas podem ser consideradas chuvosas quando têm mais do que 600mm de chuva.

Regiões climáticas na Península Ibérica (from “Polunin & Smythies”, 1973)

As seguintes áreas pluviosas  podem ser distinguidas:

A.1  A costa atlântica do Norte da Península Ibérica. Área dominada por intempéries do Oceano Atlântico , com pluviosidade e humidade alta, Invernos amenos, e Verões relativamente frias. Chuvas já pesadas, tornam-se ainda mais intensas para este, as províncias do pais basco recebendo as chuvas mais intensas. Enquanto a presença do sistema de alta pressão dos Açores causa Verões secas na Galiza. Muito do ar carregado com humidade proveniente do Atlântico passa pelas planícies baixas da Aquitânia até ao centro da França e é precipitado em forma de chuva ou neve no Maciço Central.

A.2  A costa atlântica do Centro e Sul de Portugal tem um clima largamente mediterrânico, com chuvas predominantemente de inverno e secas de verão que aumentam de norte para sul. No entanto, a quantidade de chuva flutua bastante de ano para ano e com a proximidade do oceano a temperatura  mantém-se por baixo das temperaturas da costa Mediterrânica.

A.3  O tempo dos Pirenéus . Na primavera este tempo penetra apenas até Pamplona  no sul, mas afecta todo flanco norte dos Pirenéus onde se torna progressivamente menos chuvoso de oeste para este. Os ventos carregados com humidade que provêm do Atlântico causam no seu efeito total chuvas e nevadas fortes com máximos na primavera e outono.

As áreas áridas   em geral têm pluviosidades abaixa de 600mm e são separadas em:

B.1  A zona mediterrânica norte entre o Cabo de la Nao  até o delta do rio Ródano . Recebe a maioria da chuva dos ventos sul-este que seguem atrás depressões que passam pela fenda de Carcassonne  ‘Carcassonne Gap’.

B.2  Do Cabo de la Nao  em direcção oeste até ao Estreito de Gibraltar  encontra-se uma área muito mais árida. O Cabo de Gata  no centro desta área tem a mais baixa pluviosidade de Espanha e uma seca contínua por mais do que sete meses por ano. O clima é mais parecido com o do Norte da África como da Europa e é nesta área de chuva mínima na Espanha onde a maioria das plantas das estepes ocorrem. Em direcção ao oeste na costa da Andaluzia a pluviosidade aumenta progressivamente devido à influencia do Atlântico.

B.3  A região do interior da Andaluzia  a partir da costa também é afectada pelo Atlântico e tem ligeiramente mais chuva do que a zona costeira. Torna-se progressivamente mais seca para o interior, no entanto é por aí onde as temperaturas mais altas da Península Ibérica ocorrem. As montanhas desta região como a Serra Nevada  e a Serra Cazorla , têm chuvas bastante intensas e nevadas fortes no inverno, e neve mantém-se até Abril ou Maio, ou até mais tarde.

C.1  A Meseta Central  da Ibéria tem um padrão de pluviosidade marcadamente continental, com uma máxima baixa na primavera e outra no outono, mas pouco fiável e bastante irregular, e tantas vezes como não ocorrem aguaceiros torrenciais. A pluviosidade raras vezes ultrapassa 500mm com excepção das montanhas; e é no planalto central onde as maiores áreas de estepe de Castela se desenvolvem. Do ponto de vista botânico este clima é parecido com o mediterrânico porque frutos como azeitonas e uvas podem ser cultivados e pensa-se que outrora florestas abertas e carvalhos perenes cobriram muito do terreno antes de serem destruídas pelo homem. Em vez das florestas as áreas não-cultivadas agora são cobertas por matagal  com muitos dos arbustos e das plantas herbáceas do mediterraneo.

Veja à seguir: 1.2.2c Clima e Tempo - temperaturas

Home (Index)

Sem comentários:

Submitir informação sobre uma espécie de plantas

Seguidores