A Associação "Trilhos d'Esplendor" com sede na Praia de Quiaios, Figueira da Foz, pretende fazer em caminhadas guiadas uma descrição fotográfica da Flora da Serra da Boa Viagem e das Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas. Também mostramos o uso fito-terapêutico desta Flora cujo valor na medicina tradicional é bem conhecido na população local. São todos convidados para descobrir a beleza florística desta terra. Visitem uma das regiões mais importantes de biodiversidade de Portugal!

Download of PDFs (2 Volumes - Eds. 2014):

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. I - Introdução - 371 pp.) (->Download)

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. II - Portugal - 1559 pp.) (-> Download)

(contains Web links to Flora-On for observed plant species, Web links to high resolution Google satellite-maps (JPG) of plant-hunting regions from the Iberian peninsula; illustrated text in Portuguese language)


Pesquisar neste blogue

Flora da Serra da Boa Viagem - Folha de Cálculo - > 500 Taxa - > 5000 Fotografias, Scans e Chaves

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited - última compilação

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited (Volume I - Portugal) Download PDFs (>300MB)

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Arisarum simorrhinum

Arisarum simorrhinum

Esta planta aparece nas zonas das depressões intradunares na Praia de Quiaios, perto do campismo velho e em diversos sítios com flora rural nas margens das dunas cinzentas na Murtinheira. Também encontra-se em abundância no Vale de Anta e em alguns sítios da Encosta da Serra da Boaviagem. Segundo a Flora Iberica, a espécie encontrada em Portugal não será Arisarum vulgare, mas Arisarum simorrhinum, também já considerado uma subespécie de Arisarum vulgare.


Locais de registo na Praia de Quiaios e na Serra da Boaviagem:




Identificação:



  • Origem: "Coutinho (1939/2ed) - Flora de Portugal"











Distribuição em Portugal (Origem: Flora Digital de Portugal ):

 


Costa et al., 1994
indicam a espécie para o Cabo Mondego (veja "Tabela XI " no blog "Caminhadas na praia de Quiaios") onde Arisarum simorrhinum está indicada na comunidade do Junípero: Querco cocciferae-Juniperum turbinatae:

"A vegetação climax (permanente) das falésias marinhas é a comunidade do Junípero: Querco cocciferae-Juniperetum turbinatae. Embora que os dois taxones que fornecem o nome, são dominantes na comunidade, as espécies Asparagus aphyllus, Olea europaea var. sylvestris, Rubia peregrina var. longifolia, Rhamnus alaternus, etc. podem também ser encontras (tabela XI ).  Esta comunidade é endémica de Portugal e pode ser encontrada do cabo Mondego até ao Algarve (COSTA et al., 1994). O climax teórico não é atingido nas falésias marítimas devido ao efeito de secagem dos ventos fortes, apesar das pluviosidades anuais elevadas nestes ambientes."




Candeias, ou capuz-de-fradinho, é uma planta da família das aráceas (Araceae). O seu nome científico é Arisarum vulgare Targ.-Tozz.. As suas flores (não confundir flor com a inflorescência), unissexuais, estão dipostas em torno de um espádice curvo, envolvido por uma espata que envolve totalmente a sua base, onde se encontram as flores femininas, em número reduzido. A espata abre-se na parte superior, deixando sair o espádice curvo, de forma que a inflorescência se assemelha a uma candeia (objecto semelhante à lâmpada de Aladino), com um pavio de fora. A espata, ao curvar-se, assemelha-se, também ao capuz de um frade, até porque tem uma cor escura entre o negro e o violeta. (Origem: Wikipédia).

Links Wikipédia

Mais fotos:








Sem comentários:

Submitir informação sobre uma espécie de plantas

Seguidores