A Associação "Trilhos d'Esplendor" com sede na Praia de Quiaios, Figueira da Foz, pretende fazer em caminhadas guiadas uma descrição fotográfica da Flora da Serra da Boa Viagem e das Dunas de Mira, Gândara e Gafanhas. Também mostramos o uso fito-terapêutico desta Flora cujo valor na medicina tradicional é bem conhecido na população local. São todos convidados para descobrir a beleza florística desta terra. Visitem uma das regiões mais importantes de biodiversidade de Portugal!

Download of PDFs (2 Volumes - Eds. 2014):

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. I - Introdução - 371 pp.) (->Download)

"Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited" (Vol. II - Portugal - 1559 pp.) (-> Download)

(contains Web links to Flora-On for observed plant species, Web links to high resolution Google satellite-maps (JPG) of plant-hunting regions from the Iberian peninsula; illustrated text in Portuguese language)


Pesquisar neste blogue

Flora da Serra da Boa Viagem - Folha de Cálculo - > 500 Taxa - > 5000 Fotografias, Scans e Chaves

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited - última compilação

Polunin - Flowers of South-West Europe - revisited (Volume I - Portugal) Download PDFs (>300MB)

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Anagallis arvensis

Anagallis arvensis L.




Descrição morfológica: O Morrião, Anagallis arvensis L., também chamado erva-do-garrotilho, morrião-dos-campos, morrião-vermelho, é uma espécie pertencente ao género Anagallis. O género tem sido tradicionalmente considerado pertencente à família das Primuláceas (Primulaceae). Porém, pesquisas recentes revelaram uma relação estreita com a família das Mirsináceas (Myrsinaceae) - família distribuída principalmente nos trópicos. Anagallis arvensis L. é uma planta anual. É ligeiramente tóxico em todas as suas peças, principalmente na raiz, por ter saponinosídeos. Os brotes são 5-30 cm de comprimento, as hastes são acentuadamente quadrangular. As folhas são opostas, sésseis, ovais e inteiras.

Anagallis arvensis leaves


As flores são radiais, pedunculadas, e aparecem isoladamente nas axilas foliares. O período de floração em Portugal é de Fevereiro até Outubro. A corola mede cerca de 10-15 mm de diâmetro. As flores são abertos apenas nas manhas e fecham quando se aproxima mau tempo. As anteras têm pelos, apreciadas por insectos, e que atraem polinizadores, especialmente moscas. Acontece espontânea auto-polinização, normalmente antes das flores murcharem. As pétalas são, na Europa central, geralmente de cor vermelha, raramente azuis. No entanto, a subespécie latifolia ocorrendo na região do Mediterrâneo, tem flores um pouco maiores geralmente de cor azul.  A forma azul de Anagallis arvenses f. azurea é frequentemente confundida com Anagallis foemina.
Os frutos são cápsulas globosas. O pedúnculo de frutos dobra com a gravidade e as sementes são sopradas pelo vento ou levadas com a chuva.


A forma Anagallis arvensis j. azurea:
A corola de Anagallis pode assumir uma variedade de cores. Assim, as formas descritas são arvensis com cores laranja até vermelho, carnea com cor de carne, lilacina com cor roxo, pallida com branco e azurea com flores azuis. Na identificação, a forma azurea pode apresentar dificuldades pela possibilidade de confusão com a espécie A. foemina.  Um carácter distintivo forte são a margem das pétalas: A. foemina tem pétalas irregularmente crenuladas com apenas cerca de 5 a 10, no máximo, 15 pelos glandulares. Na forma A. arvensis f. azurea existem cerca de 50 a 70 pelos que se encontram na margem de pétalas não são crenuladas ou pouco crenuladas. A distribuição geral de A. arvensis é subcosmopolita. Mas o origem deve ser o Mediterrâneo. Na Europa, A. arvensis é uma Arqueofito.



Distribuição Geral
Subcosmopolita
HabitatTerrenos cultivados, incultos e ruderal
Época de FloraçãoFevereiro - Outubro




Sinonimias: Anagallis arvensis L. var. caerulea (L.) P. Cout.; Anagallis arvensis L. var. latifolia (L.) Lange; Anagallis latifolia L.



Locais de registo na Praia de Quiaios e na Serra da Boaviagem: Nas dunas cinzentas; nos pinhais e nos terrenos cultivados, incultos e rurais


Identificação:














Distribuição em Portugal: Portugal inteiro.

Utilização:

Os agricultores usaram a Anagallis arvensis para prever o tempo, porque o morrião fecha cedo as flores, quando o tempo piora.

Na Índia, a planta é usada por causa da sua baixa toxicidade para pesca.


Anagallis arvensis não é utilizado na "medicina baseada em evidências", mas é usado como Anagallis arvensis Herba em diversos produtos homeopáticos contra pruridos diversos e distúrbios nervosos. Anteriormente, Anagallis arvensis tive uso para o tratamento de úlceras e cura da doença mental (Gauch cuco enganar =). Na Grécia antiga usavam-lo para o tratamento da melancolia.


Utilização fitoterapéutica ( http://www.fitoterapica.com.br/plantaservas/especies/Anagallis_arvensis.htm ):

Propriedades medicinais: Usado popularmente como antifúngico, antiviral, cicatrizante, sedante, expectorante, ligeiramente diurético e sudorífero.

Indicações: feridas externas.
Por sua toxicidade (por via interna), só se recomenda seu uso tópico em micoses cutâneas, úlceras tróficas e herpes zoster.

Parte utilizada: toda a planta.

Contra-indicações/cuidados: toda a planta é tóxica, especialmente as sementes, devido a saponosídeos com ação hemolítica, irritante das mucosas digestivas e respiratórias. Seguro só para uso externo, na dosagem indicada (sarda, chagas, ferida), mesmo assim em algumas pessoas pode produzir dermatite de contato, com intensa rubefação e inclusive vesicação.

Efeitos colaterais: o uso interno de infusões e decocções de anagalis (febre, depressão, tuberculose, fígado, epilepsia, hidropisia, reumatismo) podem provocar graves inflamações gástricas (cucurbitacinas). Em doses elevadas pode causar tremor, diarréia e forte diurese.

Modo de usar:
- infusão alcoólica: deixar em maceração, durante duas semanas, 20 g de flores e folhas de anagalis em meio litro de álcool a 90º, agitando-se todos os dias a garrafa. Passado esse período, filtrar o líquido, utilizando-o para fazer pinceladas sobre chagas e feridas.



Alguma fotografias da Praia de Quiaios:


















Outros assuntos de interesse:

O morrião chama-se em inglês Scarlet Pimpernel e deu nome ao romance „The Scarlet Pimpernel“ de Emmuska Orczy, e do Musical epónimo de Frank Wildhorn e Nan Knighton.



Links e Bibliografia:

http://www.missouriplants.com/Redopp/Anagallis_arvensis_page.html

http://www.fitoterapica.com.br/plantaservas/especies/Anagallis_arvensis.htm

http://aguiar.hvr.utad.pt/pt/herbario/cons_reg_esp2.asp?especie=Anagallis+arvensis&ID=643


Sem comentários:

Submitir informação sobre uma espécie de plantas

Seguidores